Geografia da Amizade

Geografia da Amizade

Amizade...Amor:
Uma gota suave que tomba
No cálice da vida
Para diminuir seu amargor...
Amizade é um rasto de Deus
Nas praias dos homens;
Um lampejo do eterno
Riscando as trevas do tempo.
Sem o calor humano do amigo
A vida seria um deserto.
Amigo é alguém sempre perto,
Alguém presente,
Mesmo, quando longe, geograficamente.
Amigo é uma Segunda eucaristia,
Um Deus-conosco, bem gente,
Não em fragmentos de pão,
Mas no mistério de dois corações
Permutando sintonia
Num dueto de gratidão.
Na geografia
da amizade,
Do amor,
Até hoje não descobri
Se o amigo é luz, estrela,
Ou perfume de flor.
Sei apenas, com precisão,
Que ele torna mais rica e mais bela
A vida se faz canção!

"Roque Schneider"


Quem sou eu

Salvador, Bahia, Brazil
Especialista em Turismo e Hospitalidade, Geógrafa, soteropolitana, professora.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Geografia do Turismo Cearense. Parte 5

2.6- Sertão Cearense
O Ceará vive do seu sertão. Na região Norte do estado, Sobral e parada obrigatória. Uma cidade universitária, de vida cultural movimentada. O Boulevard do Arco (inspirado no Arco do Triunfo da Champs-Élysées, em Paris), o Museu do Eclipse e o Teatro São João são atrações. No coração do Ceará, é irresistível não passar por Quixadá, a Terra dos Monólitos, formações rochosas que decoram a paisagem da cidade, também marcada pelo mirante do Santuário Rainha do Sertão e pela Serra do Estevão. Outra característica do sertão cearense é a fé. O estado possui dois dos principais centros religiosos do País, Canindé (sob as bênçãos de São Francisco de Assis) e Juazeiro do Norte (Sob a proteção de Padre Cícero). Em meio ao calor intenso que faz nas cidades interioranas, nada como se refrescar em piscinas e quedas d’água. Nesse ponto, as atrações ficam com os Parques Aquáticos Arajara Park, em Barbalha, e o Ytacaranha Park, na Serra de Meruoca. Na região Centro Sul, a caminho do Cariri, o que chama atenção é o Boqueirão de Lavras, o Grand Canyon cearense, localizado na cidade de Lavras da Mangabeira.

2.6.1- Sobral
Conhecida como a Princesinha do Norte do Ceará, Sobral respira cultura, educação e religião. Com estilo progressista, ´´e um importante polo universitário. Entre as atrações estão o Museu do Eclipse, o Teatro São Joao e o folclórico Beco do Cotovelo. A vida noturna da cidade e bem agitada, com bares e restaurantes em diferentes pontos da cidade, localizada a 220 km de Fortaleza.

2.6.1.1- Boulevard do Arco ou Arco de Nossa Senhora de Fátima
Situado na Av. Dr. Guarany, é um dos monumentos que mais caracterizam a Cidade. Foi Construído por iniciativa de Dom José, em 1953, como marco da visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima a Sobral. O Arco foi projetado por Falb Rangel e executado por Francisco Frutuoso do Vale.

2.6.1.2- Museu do Eclipse
O Museu do Eclipse foi criado em 1999 pela Prefeitura Municipal de Sobral para comemoração dos 80 anos do fenômeno que ajudou a comprovar a Teoria da Relatividade do físico e matemático Albert Einstein, ocorrido na manhã do dia 29 de maio de 1919.
Em exposição permanente, painéis contendo mapas e fotos da cidade de Sobral na época do Eclipse, dos integrantes das comissões brasileira e estrangeira para observação do fenômeno, instrumentos utilizados pelos cientistas e um telescópio adaptado com uma câmera digital de alta resolução, sendo este, considerado um dos aparelhos mais potentes do Norte e Nordeste do país.
O Museu é hoje um ícone de divulgação histórica e cientifica da Região Nordeste do Brasil, estando acessível para visitantes de todas as idades e estudantes de todo o país.



2.6.1.3- Teatro São João
Construído entre 1877 e 1880 por iniciativa de particulares da Sociedade Cultural União Sobralense, sendo assim o segundo Teatro mais antigo do Ceará. Em 1983, o Teatro foi tombado pelo Patrimônio Estadual sendo o primeiro monumento tombado do município e, em 12 de agosto de 1999, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), sendo completamente reformado entre os anos de 2000 e 2004 por um levantamento arqueológico feito pelo Laboratório de Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco e reinaugurado no dia 29 de dezembro de 2004.
Após o resgate histórico de sua arquitetura original, o Teatro com capacidade para 300 pessoas, recebeu melhorias na sua estrutura com a instalação de modernos equipamentos de iluminação, cenotécnica, sonorização, acústica e um completo sistema de refrigeração e mobiliário
Em estilo arquitetônico neoclássico com palco tipo italiano e plateia em formato de ferradura com balcões, o teatro São João foi construído acompanhando a tendência europeia que foi adotada em vários teatros do Brasil e tornou-se importante referencia histórica, cultural e artística do Estado.

2.6.1.4- Igreja da Sé
A antiga Matriz construída provavelmente em meados de 1700, pelo cura Antônio de Carvalho e Albuquerque foi demolida pelo Padre João Ribeiro Pessoa devido as péssimas condições em 1777. Mais tarde, quando Sobral já se eleva a Vila, foi autorizada pelo Visitador Manuel Antônio da Rocha a construção de uma nova igreja, sendo lançado a pedra fundamental da atual matriz a 02 de novembro de 1778. O seu frontispício é um dos mais bonitos do Ceará. Notável pórtico com arco de pedraria lavrada em liós, importada de Portugal.

2.6.1.5- Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretinhos
A atual Igreja do Rosário foi construída em 1767 pela irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Sobral, em substituição ao nicho de taipa que havia em homenagem a Senhora do Rosário. Era comemorado no período da festa de N. Sra. do Rosário, a coroação dos reis do Congo, nome dado aos festejos. A última vez que, em Sobral, se realizou esta festa foi em janeiro de 1889, após a abolição da escravatura, os negros continuaram a tradição do Reisado Africano por algum tempo.
A Igreja do Rosário, a mais antiga de Sobral, sofreu algumas modificações por iniciativa do então vigário geral Pe. José Tupinambá da Frota, tais como as ampliações laterais em 1914 . Em 1926, já como bispo, Dom José mudou o piso de tijolos por ladrilhos hidráulicos e mandou retirar as tribunas laterais típicas do século XVIII. Entre 1941 e 1942 foi reformado o altar mor conforme projeto do italiano Agostinho Balmes Odisio.

2.6.1.6- Câmara Municipal
Edificada em meados do século XVIII, o andar térreo era ocupado pela cadeia e o andar superior pela Câmara de Vereadores.
A Primeira Sessão realizada na Câmara foi a 05 de julho de 1773, data em que a localidade de Caiçara foi elevada à categoria de vila com o nome de Vila Distinta e Real de Sobral.

2.6.1.7- Casa do Capitão Mor
Encontra-se no núcleo que deu origem à cidade de Sobral, uma das mais antigas casas da cidade que pertenceu ao Capitão Mor José de Xerez Furna Uchoa, provavelmente construída em 1772, embora esta não fosse sua residência principal, pois sua morada oficial era no Sítio Santa Úrsula, na Meruoca, assim, servia-lhe apenas de apoio nas suas vindas para Sobral. José de Xerez foi vereador da primeira Câmara da Vila Distinta e Real de Sobral e Juiz de órfãos. Ao visitar a França, recebeu do Duque de Choiseul mudas de café que trouxe e plantou em seu sítio. Maria Thomazia, bisneta, recebeu grande destaque em todo o Ceará ao tornar-se a presidente da Sociedade das Senhoras Libertadoras do Ceará, instituição que lutou pela abolição da escravatura do Ceará.

2.6.1.8- Casa da Cultura
Casarão construído pelo Pe. Francisco Jorge De Sousa, por volta de 1856. Após sua morte, o prédio foi vendido ao Senador Francisco de Paula Pessoa, e por longos anos foi residência das famílias Paula Pessoa / Figueiredo, reconstruindo em 1897, guardando suas linhas arquitetônicas originais.
Sobre os escombros do tradicional “Solar dos Figueiredos”, A Casa da Cultura de Sobral surge. Hoje, a Casa abriga a Secretaria de Cultura e Turismo de Sobral e a Casa da Cultura onde se dispõe de galerias, sala de cine-vídeo, atelier e espaço de convivência.

2.6.1.9- Escola de Musica Maestro Jose Wilson Brasil
Prédio do final do século XIX, pertenceu a Francisco Juvêncio de Andrade, cirurgião dentista, nasceu em Santana do Acaraú a 25 de março de 1881. A casa foi herdada por sua filha, Ana Rodrigues de Andrade.
Após um processo de reforma, a casa recebeu o nome do Cônego José Egberto Rodrigues de Andrade, filho de Ana Rodrigues. Atualmente, o espaço abriga a Escola de Música de Sobral José Wilson Brasil, homenagem a um dos fundadores da Banda de Sobral e um dos grandes conhecedores da história do Município.
Inaugurada em 2003, a Escola dispõe de uma moderna infraestrutura com capacidade para aproximadamente 700 alunos, compõe a Banda de Música, o Coral Vozes de Sobral e a Orquestra Jovem de Sobral. A Escola oferece cursos de Violino, Viola, Contrabaixo Acústico, Violoncelo, Teclado, Contrabaixo Elétrico, Bateria, Percussão, Guitarra, Saxofone, Flauta Transversal, Clarinete, Trompete, Trombone, Flauta Doce, Violão Clássico, Violão Popular, Canto e Coral atendendo prioritariamente aos estudantes da Rede Pública de Ensino.

2.6.1.10- Museu Dom José
Construído pelo Major João Pedro Bandeira de Melo em 1844, o prédio em estilo império é integrante da Segunda Fase dos sobrados sobralenses. Ao início da década de 1940 passou a ser o Palácio Episcopal de Dom José, permanecendo assim até o final da década de 1960.
Fundado oficialmente por Dom José Tupinambá da Frota em 29 de março de 1951, o Museu possui um valioso acervo adquirido entre os anos de 1916 e 1959. Dom José recolheu peças em Sobral, e outras regiões do Ceará, do Maranhão, do Pará e do Amazonas chegando, atualmente, a compor um acervo com mais de 30.000 peças, além de uma coleção numismática com 20.394 moedas.
O Museu Dom José possui coleções de porcelana, cristal, imaginária, mobiliário, paleontologia, etnologia, arqueologia, armaria, numismática, indumentária, ourivesaria, iconografia, adereços e acessórios. É uma instituição ligada à arte, nacional e europeia, dos séculos XVII, XVIII e XIX. Hoje é considerado o maior Museu do Ceará e um dos maiores do Brasil em Arte-Sacra e Arte Decorativa, tornando-se assim, um magnífico painel da história social de Sobral e municípios norte-cearenses.

2.6.2 – Quixadá
As condições geográficas, o forte vento e as rampas naturais de Quixadá oferecem condições  ideais de voo para asa delta e parapentes. A região atrai aventureiros do mundo inteiro para treinos  e competições de voo livre. As formações rochosas de Quixadá, os monólitos, também são muito procuradas para  a prática de rapel. A cidade recebe muitos  praticantes de off-Road, trekking, orientação e montanhismo.
A cidade também é considerada pelos ufólogos como um dos locais onde há uma das maiores incidências de OVNIs (objetos voadores não identificados) do mundo.
Entre as trilhas ecológicas mais conhecidas da região destacam-se a Trilha do Boqueirão (Fazenda Reduto), a Trilha Cabeça do Gigante (Fazenda Santa Fé), a Trilha da Barriguda (Fazenda Magé) e a Trilha das Andorinhas (Fazenda Junco).
Quixadá é conhecida por ser um lugar repleto de monólitos, onde se destaca a Pedra da Galinha Choca, marca registrada da cidade.

2.6.2.1- Açude do Cedro
Primeiro açude do Brasil e é o sétimo maior reservatório de água do Ceará. Dispõe de locais para banho, pesca de barco e para prática de esportes náuticos. A barragem do Açude Cedro está localizada no município de Quixadá, estado do Ceará, distando cerca de 160 km de Fortaleza.
 Barra o rio Sitiá, sistema do Jaguaribe. A sua bacia hidrográfica cobre uma área de 224 km2.
O Açude do Cedro, em Quixadá, foi a primeira grande obra hídrica realizada pelo Governo Brasileiro. A ordem de construção foi dada por D. Pedro II em decorrência do grande impacto social provocado pela seca de entre 1877 e 1879.


2.6.2.2- Santuário Nossa Senhora Imaculada Rainha do Sertão
É um templo católico que ergue-se sobre uma esplanada encostado ao Morro Urucum. A base da torre triangular fica exatamente a 501 metros e 12 centímetros acima do nível do mar. Foi idealizado e construído pelo ex-bispo de Quixadá Dom Adélio Tomasin. Localizado na Serra de Urucum o Santuário abriga nas suas  paredes oblíquas vinte e sete painéis com ilustrações da Virgem Maria com o nome e o título pelo qual ela é venerada em cada país da América Latina.
Na subida para o Santuário encontra-se os grupos estatuários representando as cenas tradicionais da Via Sacra. São quatorze estações. O material escolhido, para resistir ao relento, foi: estrutura interna de ferro revestido de cimento e areia.
Fazendo parte do complexo do Santuário de Nossa Senhora Imaculada Rainha do Sertão, a Casa de Retiros é um local agradável e acolhedor, adequado para a oração, romaria e descanso. Situada na Serra do Urucum é envolvida pela beleza natural do lugar.
Oferece aos hospedes instalação cuidadosamente preparada para bem recebê-lo, zelando pelo silêncio e pela tranquilidade. O interessado escolhe um período que lhe seja favorável e após a confirmação da casa, faz a sua reserva.

2.6.2.3- Serra do Estevão
Localizada a 12 km de Quixadá, o lugar é um paraíso coberto de vegetação a 400 metros de altitude. Estando lá, não deixe de conhecer a Capela de Nossa Senhora da Conceição, construída em 1903 em estilo barroco. A serra também abriga outro ponto turístico da região, o Mosteiro da Santa Cruz, também construído em 1903, em estilo colonial.
A Serra do Estevão é uma pequena cadeia montanhosa com aproximadamente 24 km de comprimento por 10 km de largura. Ela é o divisor de águas entre as bacias hidrográficas dos rios Sitiá e Choró.
A origem exata do seu nome é desconhecida, no entanto, segundo uma tradição local, Estevão seria o nome do primeiro ocupante das terras da serra.
Apesar do clima tropical quente semiárido possui temperaturas amenas e fontes de água permanentes mesmo com secas prolongadas.
A vegetação predominante é a caatinga caducifólia espinhosa, com existência de árvores de grande porte.
A maior parte da serra fica em Quixadá, a outra fica em Choró.
É na Serra do Estevão que está localizada a sede do distrito de Dom Maurício. O nome de Dom Maurício foi dado em homenagem ao monge beneditino a quem se deve a fundação do Mosteiro Santa Cruz, que existiu na serra e lhe deu vida e renome. Seus habitantes são, na maioria, lavradores e pequenos proprietários.
É nessa serra também que se encontra o ponto culminante de Quixadá com 755 metros de altitude e a nascente do rio Sitiá.

2.6.2.4- Museu Jacinto de Sousa
O museu ocupa uma casa construída em 1922 por Raimundo Franklin, um dos autores do monumento localizado na praça da estação, que fica em frente ao museu. O museu foi criado em 27 de outubro de 1984 com o nome de Museu Histórico de Quixadá. Seu nome foi alterado, para homenagear o artista quixadaense Jacinto de Sousa. Seu acervo é composto por utensílios, fotografias, maquetes, móveis, documentos, arte sacra, roupas, arquivos de áudio e vídeo e fósseis.

2.6.2.4- Chalé da Pedra
Atual Memorial Raquel de Queiroz, é composto por peças históricas que foram doadas pela irmã caçula de Rachel de Queiroz, Maria Luiza Salek. Para receber essas peças foram necessários estudos museográfico, ilumino técnico e de climatização. Em 2010 foram iniciadas obras para o restauro do chalé. A reforma foi conduzida por uma equipe especializada: o restaurador Antônio Moça Velha trabalhou da recuperação dos traços ecléticos do imóvel desgastados pelo tempo. A arquiteta e museóloga Lídia Sarniento elaborou o designer interior, adaptando os cômodos em ambientes de exposição. Um deles é utilizado para exibições videográficas. O bibliófilo José Augusto Bezerra selecionou e catalogou o material a ser exposto, dentre eles a máquina de escrever, indumentárias e dezenas de fotografias raras.
A conclusão do restauro ocorreu no final do ano, e sua reinauguração como Memorial Rachel de Queiroz foi no dia 10 em dezembro de 2010.

2.6.2.5- Centro Cultural Raquel de Queiroz
Localizado no centro da cidade, na Praça da Cultura. Rua José Jucá, próximo ao Chalé da Pedra.
É uma Instituição Pública subordinada a prefeitura construída com recursos do Governo do Estado e da Prefeitura. Possui 2 pavimentos com teatro e anfiteatro.
Seu nome foi dado em homenagem a escritora cearense Raquel de Queiroz. Oferece oficinas de audiovisual, música, teatro, artes plásticas. Foi inaugurado em 18 de janeiro de 2003.

2.6.2.6- Trilha da Barriguda
É uma trilha onde é possível ver de perto as mais fortes características de Quixadá, os monólitos esculpidos pela erosão e a vegetação de grande porte. O caminho contorna a Pedra do Magé, e ao chegar nela os visitantes entram em um túnel escavado na rocha de dez metros até uma clareira. No meio existe uma enorme paineira, a "Barriguda" - que dá nome à trilha -, árvore que precisa de cinco pessoas para abraçá-la.

2.6.3- Canindé
A 120 Km de Fortaleza, Canindé é um dos maiores centros da fé, no Ceará, onde São Francisco é mais devotado depois da cidade natal do santo – Assis, na Itália.
Distante cerca de 2 horas de carro de Fortaleza, Canindé é uma cidade onde o turismo religioso atrai milhares de devotos de diversos pontos do país. As romarias cresceram tanto que o Vaticano concedeu o título de basílica à Igreja matriz dedicada ao centro da pobreza.
Indo de Fortaleza a Canindé você verá a quantidade de romeiros de todas as idades em direção a cidade – uns de carro, outros de ônibus ou caminhões, a cavalo e ainda a pé ou apoiados em cajado. Como todas as cidades que acolhem romeiros, Canindé tem muitas lojas comercializando imagens de santo e uma casa dos milagres, onde se expõem os ex-votos, quase todos feitos em madeira.
O artesanato é baseado em artigos religiosos como terços, fitinhas, velas, medalhas com imagens de santos e imagens. A maior movimentação de romeiros que vêm pagar promessas a São Francisco das Chagas acontece entre os meses de junho e outubro.
Os principais pontos de visitação turística na cidade de Canindé está os espaços religiosos e culturais do Santuário de São Francisco das Chagas, entre esses espaços os devotos encontram o Complexo da Basílica e da Praça dos Romeiros, reunindo uma grande estrutura entre elas: a Basílica, Convento Santo Antônio, Praça dos Romeiros, Zoológico e o Museu.
Ainda na cidade os visitantes podem conhecer a Estátua de São Francisco, medindo 30,25m, inaugurada em maio de 2008.

2.6.3.1- Basílica São Francisco das Chagas
O referencial de visita à cidade de Canindé é a Basílica de São Francisco das Chagas, local onde os romeiros fazem seus agradecimentos e pagam suas promessas. O templo é de estilo gótico-barroco e suas paredes possuem uma espessura de chamar atenção. Esse templo possui uma altura de 25 metros (torre), quase 30 m de largura e 100 m de fundo. Em sua história, passou por várias reformas. Foi Capela, matriz e, em 1925, foi elevada à categoria de Basílica Menor pelo Vaticano. Ao lado da Basílica está o Complexo São Damião, que abriga a Casa dos Milagres, a Livraria São Francisco, a Capela do Painel, os Confessionários e a Capela de São Damião.

2.6.3.2- Casa dos Milagres
Situada ao lado da basílica a Casa dos Milagres é o espaço que destina-se a acolher os ex-votos, afixação de fotografias, figuras, pinturas, peças de arte, itens e utensílios de uso particular ou comunitário e que representam a graça alcançada pela interseção de São Francisco. Tradicionalmente os primeiros devotos voltavam trazendo a prova de que haviam alcançado a graça da cura e a depositava neste local que passou a se chamar Casa dos Ex-Votos e mais tarde, Casa dos Milagres. Neste espaço os romeiros depositam ex-votos (arte-sacra rústica), fotografias, pinturas, roupas, mechas de cabelo e outros objetos, a fim de registrar graças alcançadas. Também funcionam neste local; postos de atendimento de emergência, loja de artigos sacros, vestiário, depósito de cabelos e hall de exposição. O horário de funcionamento é de 07h às 11h e de 14 às 17h.

2.6.3.3- Estátua de São Francisco
A estátua de São Francisco de Chagas é uma das maiores imagens sacras do mundo, com mais de 30 metros de altura.
Está situada no Alto do Moinho, o bairro mais elevado da cidade, onde pode ser vista por todos os Canindeenses e todos aqueles que se aproximam da Meca Nordestina.

2.6.3.4- Gruta Nossa Senhora de Lourdes e Casa das Velas
A Gruta Nossa Senhora de Lourdes é um local de devoção mariana e funciona à baixo das escadarias por traz da Basílica. Trata-se de um ambiente de purificação do corpo com o banho das mãos, da cabeça e dos pés. Ao lado fica a casa das velas, local de pagar promessas e soltar fogos. No local os devotos também recolhem água para benzer e levar como objeto de devoção e cura. É uma alusão à virgem que aparecera em 1858 a Bernadete Soubirous, (que mais tarde fora conhecida como Santa Bernadete), em Lourdes – França, e São Francisco era um devoto incondicional de Nossa Senhora. O recinto une a devoção de São Francisco e o apego com a Mãe Natureza através da Irmã Água. No mesmo local acontecem celebrações na Quadra Coberta da Gruta que recentemente inaugurada, tem a capacidade de reunir quase 10 mil pessoas e fica ao lado do Rio que deu origem ao nome da cidade.

2.6.3.5- Via-Sacra do Monte
Com início na Igreja de Nossa Senhora das Dores e término na ermida do Monte (Igreja de Cristo Rei) a Via Sacra é um dos pontos mais visitados pelos romeiros, que chegam mesmo a conduzir pedras na cabeça de uma estação à outra, para cumprimento de alguma promessa.

2.6.3.6- Zoológico São Francisco
Tudo começou quando os romeiros trouxeram alguns bichos para São Francisco e os frades franciscanos se viram obrigados a cuidar destes animais. No pátio da entrada para o Convento de Santo Antônio foram colocados em pequenos recintos alguns animais, mas o local era inadequado.
No ano de 1974 foi construído um pequeno zoológico em frente ao museu. Com a construção da Praça dos Romeiros veio a ideia da construção de um novo Zoológico. A obra foi executada pela Secretaria estadual de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente e a Casa de São Francisco, sob a orientação do IBAMA. A inauguração foi feita pelo então governador do Ceará, Tasso Jereissati, em 13 de março de 1991.
Implícito no carisma de São Francisco, o amor pela natureza e os animais não poderia deixar de ter em Canindé uma reflexão profunda. Como era comum, os romeiros e devotos costumam trazer presentes para o santo que mais se identificava com a sua condição e muitos romeiros pagavam a promessa deixando um animal em Canindé. Muitos eram silvestres, o que requeriam cuidados especiais. (A equipe responsável pelo Zoo informa e orienta a seus visitantes sobre a preservação na fauna, a não retirá-los de seu habitat natural. Os bichos que chegam ao Zoo são trazidos de modo legalizado pelo IBAMA). Foi assim que surgiu a ideia de oferecer um espaço que pudesse acolher os bichos e ser atração aos visitantes.  O Zoológico de São Francisco surgiu no início da década de 70 ganhando inovações com o passar do tempo. Em 1990 foi inaugurado em um novo espaço. As instalações recentemente foram reformadas para dar aos animais mais segurança e conforto. Hoje, o zoológico de Canindé trabalha com uma bióloga, um veterinário e equipe muito preparada. Horário de funcionamento: Diariamente das 08h às 17h.
Mantido por religiosos franciscanos, conta com uma diversidade de espécies, com destaque para a onça pintada e a jaguatirica.

2.6.3.7- Praça dos Romeiros
Ele A Praça dos Romeiros foi projetada para acolher 110 mil pessoas e começou a ser construída em junho de 1987 sendo inaugurada em outubro de 1989 como sendo o maior anfiteatro a céu aberto do nordeste e um dos maiores monumentos sacro do mundo. Comumente era chamada de Cidade de Assis fazendo-se alusão à terra natal de São Francisco. Imponente e acolhedora com seus jardins, corredores e alamedas é na Praça dos Romeiros onde acontecem os novenários dedicados a São Francisco (maior manifestação de fé ao santo) e palco de eventos culturais, sociais e religiosos com destaque para apresentação de peças teatrais, a coroação de Nossa Senhora sempre no final do mês dedicado a Maria e tendo também como outra data muito especial a Celebração Solene do Natal. Possui atualmente 04 entradas principais ligando os mais distintos pontos da cidade e facilitando acesso. O espaço abriga ainda boxes de apoio, banheiros, altar de 20 metros², cripta, vestiários, capela do S.S. Sacramento e uma torre em formato de cruz de 30 metros que foi utilizada na visita do Papa João Paulo II ao estado do Ceará.

2.6.4- Juazeiro do Norte
Nem só de religião vive Juazeiro do Norte. Destaque para as dezenas de grupos de reisados, para as bandas cabaçais e para as lapinhas. A literatura de cordel e a xilografia também são bastante difundidas, muito em virtude da Academia de Cordelista de Juazeiro do Norte. Vale a visita ao centro cultural Mestre Noza. Contudo não podemos esquecer que ao longo do ano, Juazeiro do Norte atrai milhares de fiéis que veneram o Padre Cícero, imortalizado em uma estátua de 27 metros, localizada na Colina do Horto, vale a pena visitar o Memorial de Padre Cícero, a Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores e a Capela do Perpétuo Socorro.
Juazeiro do Norte é cidade polo de uma das regiões mais importantes do Ceará e com influência sobre população estimada em três milhões de habitantes. Uma terra que se movimenta em torno do lema maior do Padre Cícero Romão Batista: Fé e Trabalho.

2.6.4.1- Memorial Padre Cícero
O Memorial Padre Cícero foi inaugurado no dia 22 de julho de 1988 com a presença do então Presidente da República, José Sarney, para ser um ambiente de estudos, pesquisas e palestras sobre o sacerdote. Existe um museu com vários objetos que foram do seu uso pessoal, como vestimentas e louças, além de fotografias e algumas obras de arte da época. Na biblioteca do mesmo, uma vasta bibliografia reunindo as muitas obras de quem escreveu a favor e as poucas dos que pensavam diferente sobre o padre. O auditório tem capacidade para 400 pessoas e o Memorial foi construído no largo da Capela do Socorro, onde o sacerdote foi sepultado.

2.6.4.2- Casarão do Horto e Museu Vivo de Padre Cícero
O velho Casarão do Horto era o local preferido do Padre Cícero Romão Batista para os seus retiros espirituais, no alto da Serra do Catolé, de onde é possível uma visão panorâmica de Juazeiro do Norte. Desde 1999 que o imóvel abriga os ambientes e as peças do Museu Vivo de Padre Cícero. Os romeiros percorrem o mesmo diante da sensação de estar palmilhando o chão sobre o qual o sacerdote um dia caminhou. Na sala das orações ainda se encontra afixado um enorme quadro do Sagrado Coração de Jesus adquirido por Padre Cícero em Roma, há mais de 100 anos. Provavelmente a opção do religioso pelo lugar foi motivada pela semelhança com o Monte das Oliveiras.
Inaugurado no dia 1º de novembro de 1999, no velho Casarão do Horto, o Museu Vivo de Padre Cícero possui cinco ambientações com personagens em tamanho real, a partir de resina de poliéster. Percorrendo os cômodos do imóvel, o visitante encontra o Padre Cícero em um café da manhã com amigos; em uma capela ao lado da beata Maria de Araújo – protagonista dos milagres; despachando com José Marrocos em seu gabinete; orando e descansando em uma rede. Na primeira sala do museu, fotos e dados sobre a vida do sacerdote, além de muitos ex-votos de fiéis ao longo do percurso na casa que serviu para retiros espirituais do Padre Cícero.

2.6.4.3- Basílica Menor de Senhora das Dores
Foi construída em 1875 pelo Padre Cícero Romão Batista e fica situada na Rua Padre Cícero, 147, sendo a paróquia da Padroeira de Juazeiro do Norte e conhecida pelos romeiros como a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores. Trata-se de um dos pontos de grande visitação no município em cujo altar-mor está uma imagem da Mãe de Deus esculpida em Paris e trazida por Padre Cícero na sua viagem a Europa. Foi nesse templo onde ocorreu o primeiro milagre da transformação da hóstia em sangue na boca da Beata Maria de Araújo, no dia 1º de março de 1889. No seu entorno está a Praça dos Romeiros, onde ocorrem grandes concentrações de fiéis.

2.6.4.4- Capela do Perpétuo Socorro
Foi construída entre os anos de 1908 e 1909 e fica situada no início da Rua Santa Luzia, no Centro de Juazeiro. Conhecida como Capela do Socorro, a mesma está à frente do principal cemitério do município, e, no seu altar-mor, foram sepultados os restos mortais do Padre Cícero no dia 21 de julho de 1934. Por isso, tornou-se um dos lugares considerados sagrados e de grande visitação em Juazeiro, principalmente durante a Romaria de Finados, de tal forma a ser apontado como um dos túmulos mais visitados do mundo. Trata-se do único templo da cidade a ostentar imagens em vitrais do Padre Cícero e da Beata Maria de Araújo.

2.6.4.5- Santuário do Sagrado Coração de Jesus
A Igreja dos Salesianos, como é mais conhecida pelos fiéis, foi construída em 1949 e tem a ver com um sonho e desejo do Padre Cícero apresentado aos religiosos daquela ordem. Ela fica situada na Rua Padre Cícero, 1440, e ganhou as características arquitetônicas a partir de uma maquete que o sacerdote trouxe de Roma. Para fazer valer sua vontade, Padre Cícero tornou como uma de suas herdeiras a ordem salesiana. A imagem do Coração de Jesus no altar-mor foi fabricada por alunos salesianos de Gênova, na Itália, e a arquitetura do templo é um dos cartões postais de Juazeiro. É também uma das igrejas bem frequentadas pelos romeiros.

2.6.4.6- Museu do Padre Cícero
O Museu de Padre Cícero funciona na Rua São José, 242, no centro de Juazeiro do Norte e foi instalado na residência onde o sacerdote morou nos últimos dias de sua vida. Em um dos quartos do antigo prédio está a cama na qual ele faleceu, no dia 20 de julho de 1934, e outros móveis. Na sala de estar, encontra-se sua biblioteca e, noutros cômodos, vários objetos que pertenceram ao religioso. Um deles é a maquete de uma Igreja que trouxe de Roma, a qual desejava ver construída na cidade. A casa serviu de velório e, em uma de suas janelas, a urna mortuária do Padre Cícero foi exposta para que todos pudessem prestar as últimas homenagens.

2.6.4.7- Estátua de Padre  Cícero
O monumento em homenagem ao Padre Cícero Romão Batista foi inaugurado no dia 1º de novembro de 1969, no alto da Serra do Catolé ou, como é mais conhecida, Colina do Horto, pelo então prefeito Mauro Sampaio. A estátua conta com 27 metros de altura, e se constitui na terceira maior do mundo em concreto, esculpida por Armando Lacerda em um local que era sempre escolhido pelo sacerdote para os seus retiros espirituais. Existe uma estimativa que aponta a visitação ao monumento na ordem de 2,5 milhões de pessoas por ano. De um lado fica o Museu Vivo e, do outro, enorme quadro da ceia larga com 17x4m, enquanto há alguns metros está sendo construída a Igreja de Bom Jesus do Horto.

2.6.4.8- Luzeiro do Nordeste
Trata-se de uma torre de 113 metros de altura, distribuída em 256 toneladas de aço, inaugurada no dia 1º de novembro de 2005, em frente à Praça dos Romeiros, se constituindo na maior do Nordeste. Foram quase oito anos de montagem, com a perspectiva de marco pela passagem do milênio e dos 500 anos de descobrimento do Brasil, a partir da autorização dada pelo então Ministro do Esporte e Turismo, Rafael Greca. Ela foi concebida pelo arquiteto Luiz Deusdará e, inicialmente, terminou batizada de Luzeiro da Fé, como uma homenagem ao romeiro que visita Juazeiro do Norte. A torre está no caminho dos que seguem na direção da estátua de Padre Cícero na Colina do Horto.

2.6.4.9- Santo Sepulcro
Um lugar místico e apontado como a antiga morada dos beatos que ali se refugiavam para as penitências e autoflagelações, principalmente nas épocas da Semana Santa. São várias capelas entre enormes pedras de formação em granito, após um caminho de vereda bastante sinuoso e cheio de ladeiras e areia, mas muita vegetação. No imaginário popular, simboliza o local em que Jesus Cristo foi crucificado. Existem as pedras do pecado, da escada e da coluna, junto às quais os fiéis acreditam na remissão dos seus pecados caso consigam ultrapassá-las. Uma delas é a pedra do joelho, onde Maria teria se ajoelhado.

2.6.4.10- Chapada do Araripe
A chapada do Araripe, é uma vasta área de vegetação que abriga uma floresta nacional, uma área de proteção ambiental e um geoparque. A vegetação é bastante diversificada, apresentando domínios de cerradão, caatinga e cerrado. E sua fauna é rica em aves, mamíferos, répteis e insetos. É cada vez maior o número de pessoas a adentrarem na Floresta Nacional do Araripe, seja nas caminhadas de quilômetros, ou de bicicleta, com grupos que estão antenados com a natureza do Cariri. O turismo ecológico tem sido cada vez mais estimulado em nossa região.

2.6.4.11- Geopark Araripe
O Geopark Araripe estende-se por uma vasta área de seis municípios cearenses, sendo estes Barbalha, Juazeiro do Norte, Crato, Missão Velha, Santana do Cariri e Nova Olinda, apresentando um grande patrimônio geológico, biológico e paleontológico. Possuindo a principal jazida de fósseis cretáceos do Brasil e os maiores vestígios de Pterossauros do mundo. E vale ressaltar que esse é o único geoparque das Américas.
Essa região tem como destaque um verde exuberante em meio ao semiárido nordestino do Brasil. Possui um determinado número de sítios geológicos e paleontológicos. São denominados Geossítios conforme o perfil de suas características na história da terra e relevância científica. Essa múltiplas características do território possibilitam a visita do turismo científico aliado a uma estratégia de desenvolvimento regional sustentável.
Hoje, esse território abrange nove Geossítios que estão em processo de sinalização e melhoramento de sua estrutura receptiva. Tendo um papel ativo no desenvolvimento econômico de seu território, o Geopark Araripe passa a ser reconhecido em função das riquezas naturais, possibilitando o desenvolvimento socioambiental.
Com isso, a prática do ecoturismo está cada vez mais comum entre os aventureiros não só da região em si, mas de pessoas que gostam de curtir o prazer que a natureza pode lhe oferecer. Para entender melhor, essa prática é um segmento da atividade turística que utiliza-se da forma sustentável o património natural e cultural, mantendo a sua conservação e procurando a formação de uma consciência ambientalista através da conscientização do ambiente, promovendo o bem-estar das populações locais.
Esta atividade procura valorizar as regiões ambientais, sociais, culturais e econômicas e inclui ao conhecimento ambiental como um fator importante durante a experiência turística.
Além disso, o Ecoturismo é instrumento responsável por experiências enriquecedoras da condição humana. Por desenvolver-se em meio natural, o Ecoturismo é capaz de proporcionar ao seu praticante, oportunidades de resgatar seus vínculos ancestrais e envolve-lo ao meio ambiente de forma que demonstrará ao mesmo que ele também é natureza.

2.6.5- Barbalha
A 575 km de Fortaleza, localizada no Vale do Cariri, Barbalha é uma cidade de ‘pé de serra’ fundada no século 18 e é conhecida por sua arquitetura antiga, parques ecológicos, balneários, artesanato e festas populares. Situada entre um enorme canavial, seus limites se confundem com a linha do horizonte e a Floresta Nacional do Araripe. Ao longo do ano, a temperatura oscila entre 13ºC e 35ºC.
A maior atração turística de Barbalha é a Festa de Santo Antônio, também conhecida como Festa do Pau da Bandeira. O evento tem uma tradição de cerca de 200 anos, acontece em junho e reúne o que há de melhor do folclore da cidade – como os grupos de Reisado, Penitentes e Zabumbas – além de barracas com comidas típicas, bares, muita arte e shows que atraem cerca de 50 mil pessoas todas as noites (mais do que a população da cidade).


2.6.5.1- Balneário do Caldas
Uma das raras estâncias termo minerais do nordeste. O local tem cinco fontes naturais com águas de temperatura de 26ºC, além de bicas, piscinas e restaurantes.
Localizado a 10 Km do centro da cidade, o balneário fica no pedaço de Barbalha que sobe a Floresta Nacional do Araripe – uma área de proteção ambiental de 120 milhões de anos. A floresta tem, em média, 214 fontes de água e abriga animais em extinção como ema e onça pintada.

2.6.5.2- Arajara Park
Situado na encosta da Chapada do Araripe, o Arajara Park é uma das principais atrações da região. O mesmo conta com vários toboáguas, piscinas, uma caverna artificial, além de outras atrações.

2.6.5.3- Gruta de Arajara
Gruta de formação arenítica, navegável em pequenos e leves botes de borracha. Localizada no distrito de Arajara, antigamente a gruta era aberta ao público – e hoje é propriedade particular de um complexo turístico Arajara Park. O projeto inclui aquapark e hotéis dentro de um parque ecológico. Antes de se chamar Arajara, o distrito se chamava Ubajara. Foi lá que Luiz Gonzaga, quando menino, aprendeu a tocar sanfona.

2.6.5.4- Festa de Santo Antônio
Também conhecida como Festa do Pau da Bandeira, a manifestação popular é a maior atração turística da cidade. Começa no último domingo antes do dia 4 de junho e vai até o dia 13 de junho, dia do santo padroeiro da cidade.
A festa, que existe já a cerca de 200 anos, reúne o que há de melhor do folclore da cidade – como os grupos de Reisado, Penitentes e Zabumbas – e barracas com comidas típicas, bares, muita arte e shows que atraem cerca de 50 mil pessoas todas as noites (mais do que a população da cidade). Os Penitentes são um grupo de pessoas que praticam a tradição medieval de autoflagelamento. Eles fazem isso de verdade, em locais secretos. No desfile da festa, eles aparecem com suas vestimentas típicas: roupões pretos até os pés com enormes cruzes brancas pintadas e estão todos com capuzes pretos com cruzes brancas. Vestem ainda por cima crucifixos e levam cruzes grandes nas mãos. Não levam os chicotes com que se açoitam e entoam músicas tristes.
A maior atração da festa acontece no primeiro dia: o hasteamento do pau da bandeira. Trata-se de um enorme tronco, que pesa em torno de 3 toneladas, e que é retirado todos os anos de um sítio da região. O tronco é carregado no ombro dos homens da cidade por todo o percurso até a rua da Matriz, em frente a igreja, onde se coloca uma bandeira na ponta do tronco que, por sua vez, é erguido.
O único apoio para todo o percurso é uma carroça com a ‘Cachaça do Padre’, que vai na frente dos homens carregando o pau da bandeira. Na hora do hasteamento, o tronco fica preso a um cabo de aço. Reza a lenda que quem pegar no pau da bandeira ou tomar um chá feito da casca deste tronco arranja um casamento. Durante o trajeto, enquanto os homens carregam o pau, as mulheres tentam a todo custo tocar no tronco e arrancar lascas para fazer o famoso chá, fato que dá uma característica profana à festa religiosa.
Ainda no primeiro dia de festa, acontece um desfile com todos os grupos folclóricos. É no parque da festa, onde são montadas as barraquinhas com comidas e bebidas e onde são realizados os shows de grande porte, que acontece a maior concentração de gente.

2.6.5.5-  Geossítio Riacho do Meio
O Geossítios Riacho do Meio está situado no Parque Ecológico Riacho do Meio, no km 9 da rodovia estadual CE-60, em Barbalha. É uma área de vegetação densa, com interessantes trilhas que passam por duas fontes naturais de águas cristalinas e uma vista privilegiada para o vale do Cariri. Nele estão preservadas a fauna e flora nativas do Araripe, com raras espécies endêmicas, como o soldadinho-do-Araripe e a samambaia-açu. Várias árvores iniciam a primavera enchendo-se com flores roxas ou amarelas, que são o alimento predileto de animais que estão ameaçados de extinção. Lá também está localizada a "pedra do morcego", o lugar onde Lampião e seu bando de cangaceiros utilizava como acampamento ou esconderijo, quando estavam na região .A área do parque oferece um circuito de trilhas que dão acesso aos pontos mais expressivos do local, oferecendo a oportunidade de apreciação e observação, como também de estudo, das características da fauna, flora e recursos hídricos disponíveis, promovendo o incentivo aos diversos segmentos do turismo como: ecoturismo, turismo científico e etc.

2.6.6- Lavras da Mangabeira
A 434 km de Fortaleza, O turismo também movimenta a cidade devido as suas belezas naturais, com destaque especial ao Boqueirão e a sua gruta, que além de ser um local de imensa beleza, é um objeto de estudo que recebe estudiosos e diversas escolas do interior do estado, para conhecer sua impressionante formação geográfica e histórica, sendo um alvo de lendas que compõe a história da cidade. O município tem origem no século XVIII, quando formou-se o primeiro povoado em torno da exploração de minas de ouro no território. A cidade abriga no centro histórico um charmoso casario, no entorno da Praça Matriz. Na zona rural, estão os tradicionais engenhos de cana de açúcar. A vocação do município para o ecoturismo desponta na Serra e na Gruta do Boqueirão do Cesário, juntamente com um passeio ao Rio Salgado e o mergulho nos açudes da Extrema ou Três Irmãos.

2.6.6.1- Boqueirão de Lavras 
Boqueirão do Rio Salgado, também chamado Boqueirão de Lavras ou simplesmente Boqueirão é uma pequena chapada dividida por um boqueirão em meio à depressão sertaneja localizada no município de Lavras da Mangabeira, no estado do Ceará. Possui uma gruta homônima em sua parte alta, que é cercada de curiosas lendas.
  
2.6.6.2- Gruta do Boqueirão
A Gruta do Boqueirão ou a Caverna do Boqueirão, localiza-se no Município de Lavras da Mangabeira, estado do Ceará, a cinco quilômetros ao norte da sede do município.
A gruta do Boqueirão, como o próprio nome indica, é a garganta aberta, na serra homônima, pelo Jaguaribe-Mirim ou que, a cortou nos tempos das formações geográficas, com o volume das águas. Formada por duas partes descomunais, aberta, na própria rocha, a referida garganta, que dá vazão, através do rio Salgado, a todas as águas fluentes do sul do estado do Ceará, tem uma altura de noventa e três metros e uma largura de quarenta, com poço permanente à época da estação seca. Originária da desagregação da rocha, e com avultado comprimento, se bem que ignorado, demora essa gruta a cerca de cem palmos acima do nível do poço, apresentando a configuração de uma cúpula achatada e servindo de morada a morcegos.
No século XIX, como parte do projeto de combate a seca no Ceará, o Governo Imperial de D. Pedro II projetou a construção de um enorme reservatório no local. Os estudos foram confiados ao engenheiro inglês Jules Jean Revy, que chegou a conclusão da inviabilidade do empreendimento, devido a diversos fatores, constantes do seu relatório, inclusive a fragilidade do rochedo nos encontros do muro e a dificuldade de se fazer um escoamento sobre a rocha sólida.

A respeito do Boqueirão e suas lendas, é muito comum se ouvir estórias a respeito de fenômenos estranhos que ocorriam no local, tanto no fundo do poço, como no interior da gruta, as quais encontram guarida na crendice popular. Salas ricamente atapetadas, mesas e altares com lindíssimas toalhas, baixelas de metal precioso e um carneiro de ouro viam-se, ali, em determinadas circunstâncias, de envolta com os encantamentos próprios das fantasias. Dizia-se, por exemplo, que no fundo do poço, que é extenso e profundo, quando a água serenava, era visto um carneiro de ouro em pé sobre uma pedra, prenunciando ali haver um intenso cabedal subterrâneo. E nos escâncaros da gruta que só se pode chegar lá de balsas pelo poço e subir as escadas até lá, era vista uma mesa atoalhada, com baixelas de ouro e prata. E se alguém conseguisse de fora, alcançar com longas varas a tal mesa e derrubar toda aquela riqueza, atemorizava-se ao ver que em poucos minutos estava novamente composta..6- Sertão Cearense
O Ceará vive do seu sertão. Na região Norte do estado, Sobral e parada obrigatória. Uma cidade universitária, de vida cultural movimentada. O Boulevard do Arco (inspirado no Arco do Triunfo da Champs-Élysées, em Paris), o Museu do Eclipse e o Teatro São João são atrações. No coração do Ceará, é irresistível não passar por Quixadá, a Terra dos Monólitos, formações rochosas que decoram a paisagem da cidade, também marcada pelo mirante do Santuário Rainha do Sertão e pela Serra do Estevão. Outra característica do sertão cearense é a fé. O estado possui dois dos principais centros religiosos do País, Canindé (sob as bênçãos de São Francisco de Assis) e Juazeiro do Norte (Sob a proteção de Padre Cícero). Em meio ao calor intenso que faz nas cidades interioranas, nada como se refrescar em piscinas e quedas d’água. Nesse ponto, as atrações ficam com os Parques Aquáticos Arajara Park, em Barbalha, e o Ytacaranha Park, na Serra de Meruoca. Na região Centro Sul, a caminho do Cariri, o que chama atenção é o Boqueirão de Lavras, o Grand Canyon cearense, localizado na cidade de Lavras da Mangabeira.

2.6.1- Sobral
Conhecida como a Princesinha do Norte do Ceará, Sobral respira cultura, educação e religião. Com estilo progressista, ´´e um importante polo universitário. Entre as atrações estão o Museu do Eclipse, o Teatro São Joao e o folclórico Beco do Cotovelo. A vida noturna da cidade e bem agitada, com bares e restaurantes em diferentes pontos da cidade, localizada a 220 km de Fortaleza.

2.6.1.1- Boulevard do Arco ou Arco de Nossa Senhora de Fátima
Situado na Av. Dr. Guarany, é um dos monumentos que mais caracterizam a Cidade. Foi Construído por iniciativa de Dom José, em 1953, como marco da visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima a Sobral. O Arco foi projetado por Falb Rangel e executado por Francisco Frutuoso do Vale.

2.6.1.2- Museu do Eclipse
O Museu do Eclipse foi criado em 1999 pela Prefeitura Municipal de Sobral para comemoração dos 80 anos do fenômeno que ajudou a comprovar a Teoria da Relatividade do físico e matemático Albert Einstein, ocorrido na manhã do dia 29 de maio de 1919.
Em exposição permanente, painéis contendo mapas e fotos da cidade de Sobral na época do Eclipse, dos integrantes das comissões brasileira e estrangeira para observação do fenômeno, instrumentos utilizados pelos cientistas e um telescópio adaptado com uma câmera digital de alta resolução, sendo este, considerado um dos aparelhos mais potentes do Norte e Nordeste do país.
O Museu é hoje um ícone de divulgação histórica e cientifica da Região Nordeste do Brasil, estando acessível para visitantes de todas as idades e estudantes de todo o país.



2.6.1.3- Teatro São João
Construído entre 1877 e 1880 por iniciativa de particulares da Sociedade Cultural União Sobralense, sendo assim o segundo Teatro mais antigo do Ceará. Em 1983, o Teatro foi tombado pelo Patrimônio Estadual sendo o primeiro monumento tombado do município e, em 12 de agosto de 1999, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), sendo completamente reformado entre os anos de 2000 e 2004 por um levantamento arqueológico feito pelo Laboratório de Arqueologia da Universidade Federal de Pernambuco e reinaugurado no dia 29 de dezembro de 2004.
Após o resgate histórico de sua arquitetura original, o Teatro com capacidade para 300 pessoas, recebeu melhorias na sua estrutura com a instalação de modernos equipamentos de iluminação, cenotécnica, sonorização, acústica e um completo sistema de refrigeração e mobiliário
Em estilo arquitetônico neoclássico com palco tipo italiano e plateia em formato de ferradura com balcões, o teatro São João foi construído acompanhando a tendência europeia que foi adotada em vários teatros do Brasil e tornou-se importante referencia histórica, cultural e artística do Estado.

2.6.1.4- Igreja da Sé
A antiga Matriz construída provavelmente em meados de 1700, pelo cura Antônio de Carvalho e Albuquerque foi demolida pelo Padre João Ribeiro Pessoa devido as péssimas condições em 1777. Mais tarde, quando Sobral já se eleva a Vila, foi autorizada pelo Visitador Manuel Antônio da Rocha a construção de uma nova igreja, sendo lançado a pedra fundamental da atual matriz a 02 de novembro de 1778. O seu frontispício é um dos mais bonitos do Ceará. Notável pórtico com arco de pedraria lavrada em liós, importada de Portugal.

2.6.1.5- Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretinhos
A atual Igreja do Rosário foi construída em 1767 pela irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos de Sobral, em substituição ao nicho de taipa que havia em homenagem a Senhora do Rosário. Era comemorado no período da festa de N. Sr ª. do Rosário, a coroação dos reis do Congo, nome dado aos festejos. A última vez que, em Sobral, se realizou esta festa foi em janeiro de 1889, após a abolição da escravatura, os negros continuaram a tradição do Reisado Africano por algum tempo.
A Igreja do Rosário, a mais antiga de Sobral, sofreu algumas modificações por iniciativa do então vigário geral Pe. José Tupinambá da Frota, tais como as ampliações laterais em 1914 . Em 1926, já como bispo, Dom José mudou o piso de tijolos por ladrilhos hidráulicos e mandou retirar as tribunas laterais típicas do século XVIII. Entre 1941 e 1942 foi reformado o altar mor conforme projeto do italiano Agostinho Balmes Odisio.

2.6.1.6- Câmara Municipal
Edificada em meados do século XVIII, o andar térreo era ocupado pela cadeia e o andar superior pela Câmara de Vereadores.
A Primeira Sessão realizada na Câmara foi a 05 de julho de 1773, data em que a localidade de Caiçara foi elevada à categoria de vila com o nome de Vila Distinta e Real de Sobral.

2.6.1.7- Casa do Capitão Mor
Encontra-se no núcleo que deu origem à cidade de Sobral, uma das mais antigas casas da cidade que pertenceu ao Capitão Mor José de Xerez Furna Uchoa, provavelmente construída em 1772, embora esta não fosse sua residência principal, pois sua morada oficial era no Sítio Santa Úrsula, na Meruoca, assim, servia-lhe apenas de apoio nas suas vindas para Sobral. José de Xerez foi vereador da primeira Câmara da Vila Distinta e Real de Sobral e Juiz de órfãos. Ao visitar a França, recebeu do Duque de Choiseul mudas de café que trouxe e plantou em seu sítio. Maria Thomazia, bisneta, recebeu grande destaque em todo o Ceará ao tornar-se a presidente da Sociedade das Senhoras Libertadoras do Ceará, instituição que lutou pela abolição da escravatura do Ceará.

2.6.1.8- Casa da Cultura
Casarão construído pelo Pe. Francisco Jorge De Sousa, por volta de 1856. Após sua morte, o prédio foi vendido ao Senador Francisco de Paula Pessoa, e por longos anos foi residência das famílias Paula Pessoa / Figueiredo, reconstruindo em 1897, guardando suas linhas arquitetônicas originais.
Sobre os escombros do tradicional “Solar dos Figueiredos”, A Casa da Cultura de Sobral surge. Hoje, a Casa abriga a Secretaria de Cultura e Turismo de Sobral e a Casa da Cultura onde se dispõe de galerias, sala de cine-vídeo, atelier e espaço de convivência.

2.6.1.9- Escola de Musica Maestro Jose Wilson Brasil
Prédio do final do século XIX, pertenceu a Francisco Juvêncio de Andrade, cirurgião dentista, nasceu em Santana do Acaraú a 25 de março de 1881. A casa foi herdada por sua filha, Ana Rodrigues de Andrade.
Após um processo de reforma, a casa recebeu o nome do Cônego José Egberto Rodrigues de Andrade, filho de Ana Rodrigues. Atualmente, o espaço abriga a Escola de Música de Sobral José Wilson Brasil, homenagem a um dos fundadores da Banda de Sobral e um dos grandes conhecedores da história do Município.
Inaugurada em 2003, a Escola dispõe de uma moderna infraestrutura com capacidade para aproximadamente 700 alunos, compõe a Banda de Música, o Coral Vozes de Sobral e a Orquestra Jovem de Sobral. A Escola oferece cursos de Violino, Viola, Contrabaixo Acústico, Violoncelo, Teclado, Contrabaixo Elétrico, Bateria, Percussão, Guitarra, Saxofone, Flauta Transversal, Clarinete, Trompete, Trombone, Flauta Doce, Violão Clássico, Violão Popular, Canto e Coral atendendo prioritariamente aos estudantes da Rede Pública de Ensino.

2.6.1.10- Museu Dom José
Construído pelo Major João Pedro Bandeira de Melo em 1844, o prédio em estilo império é integrante da Segunda Fase dos sobrados sobralenses. Ao início da década de 1940 passou a ser o Palácio Episcopal de Dom José, permanecendo assim até o final da década de 1960.
Fundado oficialmente por Dom José Tupinambá da Frota em 29 de março de 1951, o Museu possui um valioso acervo adquirido entre os anos de 1916 e 1959. Dom José recolheu peças em Sobral, e outras regiões do Ceará, do Maranhão, do Pará e do Amazonas chegando, atualmente, a compor um acervo com mais de 30.000 peças, além de uma coleção numismática com 20.394 moedas.
O Museu Dom José possui coleções de porcelana, cristal, imaginária, mobiliário, paleontologia, etnologia, arqueologia, armaria, numismática, indumentária, ourivesaria, iconografia, adereços e acessórios. É uma instituição ligada à arte, nacional e europeia, dos séculos XVII, XVIII e XIX. Hoje é considerado o maior Museu do Ceará e um dos maiores do Brasil em Arte-Sacra e Arte Decorativa, tornando-se assim, um magnífico painel da história social de Sobral e municípios norte-cearenses.

2.6.2 – Quixadá
As condições geográficas, o forte vento e as rampas naturais de Quixadá oferecem condições  ideais de voo para asa delta e parapentes. A região atrai aventureiros do mundo inteiro para treinos  e competições de voo livre. As formações rochosas de Quixadá, os monólitos, também são muito procuradas para  a prática de rapel. A cidade recebe muitos  praticantes de off-Road, trekking, orientação e montanhismo.
A cidade também é considerada pelos ufólogos como um dos locais onde há uma das maiores incidências de OVNIs (objetos voadores não identificados) do mundo.
Entre as trilhas ecológicas mais conhecidas da região destacam-se a Trilha do Boqueirão (Fazenda Reduto), a Trilha Cabeça do Gigante (Fazenda Santa Fé), a Trilha da Barriguda (Fazenda Magé) e a Trilha das Andorinhas (Fazenda Junco).
Quixadá é conhecida por ser um lugar repleto de monólitos, onde se destaca a Pedra da Galinha Choca, marca registrada da cidade.

2.6.2.1- Açude do Cedro
Primeiro açude do Brasil e é o sétimo maior reservatório de água do Ceará. Dispõe de locais para banho, pesca de barco e para prática de esportes náuticos. A barragem do Açude Cedro está localizada no município de Quixadá, estado do Ceará, distando cerca de 160 km de Fortaleza.
 Barra o rio Sitiá, sistema do Jaguaribe. A sua bacia hidrográfica cobre uma área de 224 km².
O Açude do Cedro, em Quixadá, foi a primeira grande obra hídrica realizada pelo Governo Brasileiro. A ordem de construção foi dada por D. Pedro II em decorrência do grande impacto social provocado pela seca de entre 1877 e 1879.


2.6.2.2- Santuário Nossa Senhora Imaculada Rainha do Sertão
É um templo católico que ergue-se sobre uma esplanada encostado ao Morro Urucum. A base da torre triangular fica exatamente a 501 metros e 12 centímetros acima do nível do mar. Foi idealizado e construído pelo ex-bispo de Quixadá Dom Adélio Tomasin. Localizado na Serra de Urucum o Santuário abriga nas suas  paredes oblíquas vinte e sete painéis com ilustrações da Virgem Maria com o nome e o título pelo qual ela é venerada em cada país da América Latina.
Na subida para o Santuário encontra-se os grupos estatuários representando as cenas tradicionais da Via Sacra. São quatorze estações. O material escolhido, para resistir ao relento, foi: estrutura interna de ferro revestido de cimento e areia.
Fazendo parte do complexo do Santuário de Nossa Senhora Imaculada Rainha do Sertão, a Casa de Retiros é um local agradável e acolhedor, adequado para a oração, romaria e descanso. Situada na Serra do Urucum é envolvida pela beleza natural do lugar.
Oferece aos hospedes instalação cuidadosamente preparada para bem recebê-lo, zelando pelo silêncio e pela tranquilidade. O interessado escolhe um período que lhe seja favorável e após a confirmação da casa, faz a sua reserva.

2.6.2.3- Serra do Estevão
Localizada a 12 km de Quixadá, o lugar é um paraíso coberto de vegetação a 400 metros de altitude. Estando lá, não deixe de conhecer a Capela de Nossa Senhora da Conceição, construída em 1903 em estilo barroco. A serra também abriga outro ponto turístico da região, o Mosteiro da Santa Cruz, também construído em 1903, em estilo colonial.
A Serra do Estevão é uma pequena cadeia montanhosa com aproximadamente 24 km de comprimento por 10 km de largura. Ela é o divisor de águas entre as bacias hidrográficas dos rios Sitiá e Choró.
A origem exata do seu nome é desconhecida, no entanto, segundo uma tradição local, Estevão seria o nome do primeiro ocupante das terras da serra.
Apesar do clima tropical quente semiárido possui temperaturas amenas e fontes de água permanentes mesmo com secas prolongadas.
A vegetação predominante é a caatinga caducifólia espinhosa, com existência de árvores de grande porte.
A maior parte da serra fica em Quixadá, a outra fica em Choró.
É na Serra do Estevão que está localizada a sede do distrito de Dom Maurício. O nome de Dom Maurício foi dado em homenagem ao monge beneditino a quem se deve a fundação do Mosteiro Santa Cruz, que existiu na serra e lhe deu vida e renome. Seus habitantes são, na maioria, lavradores e pequenos proprietários.
É nessa serra também que se encontra o ponto culminante de Quixadá com 755 metros de altitude e a nascente do rio Sitiá.

2.6.2.4- Museu Jacinto de Sousa
O museu ocupa uma casa construída em 1922 por Raimundo Franklin, um dos autores do monumento localizado na praça da estação, que fica em frente ao museu. O museu foi criado em 27 de outubro de 1984 com o nome de Museu Histórico de Quixadá. Seu nome foi alterado, para homenagear o artista quixadaense Jacinto de Sousa. Seu acervo é composto por utensílios, fotografias, maquetes, móveis, documentos, arte sacra, roupas, arquivos de áudio e vídeo e fósseis.

2.6.2.4- Chalé da Pedra
Atual Memorial Raquel de Queiroz, é composto por peças históricas que foram doadas pela irmã caçula de Rachel de Queiroz, Maria Luiza Salek. Para receber essas peças foram necessários estudos museográfico, ilumino técnico e de climatização. Em 2010 foram iniciadas obras para o restauro do chalé. A reforma foi conduzida por uma equipe especializada: o restaurador Antônio Moça Velha trabalhou da recuperação dos traços ecléticos do imóvel desgastados pelo tempo. A arquiteta e museóloga Lídia Sarniento elaborou o designer interior, adaptando os cômodos em ambientes de exposição. Um deles é utilizado para exibições videográficas. O bibliófilo José Augusto Bezerra selecionou e catalogou o material a ser exposto, dentre eles a máquina de escrever, indumentárias e dezenas de fotografias raras.
A conclusão do restauro ocorreu no final do ano, e sua reinauguração como Memorial Rachel de Queiroz foi no dia 10 em dezembro de 2010.

2.6.2.5- Centro Cultural Raquel de Queiroz
Localizado no centro da cidade, na Praça da Cultura. Rua José Jucá, próximo ao Chalé da Pedra.
É uma Instituição Pública subordinada a prefeitura construída com recursos do Governo do Estado e da Prefeitura. Possui 2 pavimentos com teatro e anfiteatro.
Seu nome foi dado em homenagem a escritora cearense Raquel de Queiroz. Oferece oficinas de audiovisual, música, teatro, artes plásticas. Foi inaugurado em 18 de janeiro de 2003.

2.6.2.6- Trilha da Barriguda
É uma trilha onde é possível ver de perto as mais fortes características de Quixadá, os monólitos esculpidos pela erosão e a vegetação de grande porte. O caminho contorna a Pedra do Magé, e ao chegar nela os visitantes entram em um túnel escavado na rocha de dez metros até uma clareira. No meio existe uma enorme paineira, a "Barriguda" - que dá nome à trilha -, árvore que precisa de cinco pessoas para abraçá-la.

2.6.3- Canindé
A 120 Km de Fortaleza, Canindé é um dos maiores centros da fé, no Ceará, onde São Francisco é mais devotado depois da cidade natal do santo – Assis, na Itália.
Distante cerca de 2 horas de carro de Fortaleza, Canindé é uma cidade onde o turismo religioso atrai milhares de devotos de diversos pontos do país. As romarias cresceram tanto que o Vaticano concedeu o título de basílica à Igreja matriz dedicada ao centro da pobreza.
Indo de Fortaleza a Canindé você verá a quantidade de romeiros de todas as idades em direção a cidade – uns de carro, outros de ônibus ou caminhões, a cavalo e ainda a pé ou apoiados em cajado. Como todas as cidades que acolhem romeiros, Canindé tem muitas lojas comercializando imagens de santo e uma casa dos milagres, onde se expõem os ex-votos, quase todos feitos em madeira.
O artesanato é baseado em artigos religiosos como terços, fitinhas, velas, medalhas com imagens de santos e imagens. A maior movimentação de romeiros que vêm pagar promessas a São Francisco das Chagas acontece entre os meses de junho e outubro.
Os principais pontos de visitação turística na cidade de Canindé está os espaços religiosos e culturais do Santuário de São Francisco das Chagas, entre esses espaços os devotos encontram o Complexo da Basílica e da Praça dos Romeiros, reunindo uma grande estrutura entre elas: a Basílica, Convento Santo Antônio, Praça dos Romeiros, Zoológico e o Museu.
Ainda na cidade os visitantes podem conhecer a Estátua de São Francisco, medindo 30,25 m, inaugurada em maio de 2008.

2.6.3.1- Basílica São Francisco das Chagas
O referencial de visita à cidade de Canindé é a Basílica de São Francisco das Chagas, local onde os romeiros fazem seus agradecimentos e pagam suas promessas. O templo é de estilo gótico-barroco e suas paredes possuem uma espessura de chamar atenção. Esse templo possui uma altura de 25 metros (torre), quase 30 m de largura e 100 m de fundo. Em sua história, passou por várias reformas. Foi Capela, matriz e, em 1925, foi elevada à categoria de Basílica Menor pelo Vaticano. Ao lado da Basílica está o Complexo São Damião, que abriga a Casa dos Milagres, a Livraria São Francisco, a Capela do Painel, os Confessionários e a Capela de São Damião.

2.6.3.2- Casa dos Milagres
Situada ao lado da basílica a Casa dos Milagres é o espaço que destina-se a acolher os ex-votos, afixação de fotografias, figuras, pinturas, peças de arte, itens e utensílios de uso particular ou comunitário e que representam a graça alcançada pela interseção de São Francisco. Tradicionalmente os primeiros devotos voltavam trazendo a prova de que haviam alcançado a graça da cura e a depositava neste local que passou a se chamar Casa dos Ex-Votos e mais tarde, Casa dos Milagres. Neste espaço os romeiros depositam ex-votos (arte-sacra rústica), fotografias, pinturas, roupas, mechas de cabelo e outros objetos, a fim de registrar graças alcançadas. Também funcionam neste local; postos de atendimento de emergência, loja de artigos sacros, vestiário, depósito de cabelos e hall de exposição. O horário de funcionamento é de 07h às 11h e de 14 às 17h.

2.6.3.3- Estátua de São Francisco
A estátua de São Francisco de Chagas é uma das maiores imagens sacras do mundo, com mais de 30 metros de altura.
Está situada no Alto do Moinho, o bairro mais elevado da cidade, onde pode ser vista por todos os Canindeenses e todos aqueles que se aproximam da Meca Nordestina.

2.6.3.4- Gruta Nossa Senhora de Lourdes e Casa das Velas
A Gruta Nossa Senhora de Lourdes é um local de devoção mariana e funciona à baixo das escadarias por traz da Basílica. Trata-se de um ambiente de purificação do corpo com o banho das mãos, da cabeça e dos pés. Ao lado fica a casa das velas, local de pagar promessas e soltar fogos. No local os devotos também recolhem água para benzer e levar como objeto de devoção e cura. É uma alusão à virgem que aparecera em 1858 a Bernadete Soubirous, (que mais tarde fora conhecida como Santa Bernadete), em Lourdes – França, e São Francisco era um devoto incondicional de Nossa Senhora. O recinto une a devoção de São Francisco e o apego com a Mãe Natureza através da Irmã Água. No mesmo local acontecem celebrações na Quadra Coberta da Gruta que recentemente inaugurada, tem a capacidade de reunir quase 10 mil pessoas e fica ao lado do Rio que deu origem ao nome da cidade.

2.6.3.5- Via-Sacra do Monte
Com início na Igreja de Nossa Senhora das Dores e término na ermida do Monte (Igreja de Cristo Rei) a Via Sacra é um dos pontos mais visitados pelos romeiros, que chegam mesmo a conduzir pedras na cabeça de uma estação à outra, para cumprimento de alguma promessa.

2.6.3.6- Zoológico São Francisco
Tudo começou quando os romeiros trouxeram alguns bichos para São Francisco e os frades franciscanos se viram obrigados a cuidar destes animais. No pátio da entrada para o Convento de Santo Antônio foram colocados em pequenos recintos alguns animais, mas o local era inadequado.
No ano de 1974 foi construído um pequeno zoológico em frente ao museu. Com a construção da Praça dos Romeiros veio a ideia da construção de um novo Zoológico. A obra foi executada pela Secretaria estadual de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente e a Casa de São Francisco, sob a orientação do IBAMA. A inauguração foi feita pelo então governador do Ceará, Tasso Jereissati, em 13 de março de 1991.
Implícito no carisma de São Francisco, o amor pela natureza e os animais não poderia deixar de ter em Canindé uma reflexão profunda. Como era comum, os romeiros e devotos costumam trazer presentes para o santo que mais se identificava com a sua condição e muitos romeiros pagavam a promessa deixando um animal em Canindé. Muitos eram silvestres, o que requeriam cuidados especiais. (A equipe responsável pelo Zoo informa e orienta a seus visitantes sobre a preservação na fauna, a não retirá-los de seu habitat natural. Os bichos que chegam ao Zoo são trazidos de modo legalizado pelo IBAMA). Foi assim que surgiu a ideia de oferecer um espaço que pudesse acolher os bichos e ser atração aos visitantes.  O Zoológico de São Francisco surgiu no início da década de 70 ganhando inovações com o passar do tempo. Em 1990 foi inaugurado em um novo espaço. As instalações recentemente foram reformadas para dar aos animais mais segurança e conforto. Hoje, o zoológico de Canindé trabalha com uma bióloga, um veterinário e equipe muito preparada. Horário de funcionamento: Diariamente das 08h às 17h.
Mantido por religiosos franciscanos, conta com uma diversidade de espécies, com destaque para a onça pintada e a jaguatirica.

2.6.3.7- Praça dos Romeiros
Ele A Praça dos Romeiros foi projetada para acolher 110 mil pessoas e começou a ser construída em junho de 1987 sendo inaugurada em outubro de 1989 como sendo o maior anfiteatro a céu aberto do nordeste e um dos maiores monumentos sacro do mundo. Comumente era chamada de Cidade de Assis fazendo-se alusão à terra natal de São Francisco. Imponente e acolhedora com seus jardins, corredores e alamedas é na Praça dos Romeiros onde acontecem os novenários dedicados a São Francisco (maior manifestação de fé ao santo) e palco de eventos culturais, sociais e religiosos com destaque para apresentação de peças teatrais, a coroação de Nossa Senhora sempre no final do mês dedicado a Maria e tendo também como outra data muito especial a Celebração Solene do Natal. Possui atualmente 04 entradas principais ligando os mais distintos pontos da cidade e facilitando acesso. O espaço abriga ainda boxes de apoio, banheiros, altar de 20 metros², cripta, vestiários, capela do S.S. Sacramento e uma torre em formato de cruz de 30 metros que foi utilizada na visita do Papa João Paulo II ao estado do Ceará.


2.6.4- Juazeiro do Norte
Nem só de religião vive Juazeiro do Norte. Destaque para as dezenas de grupos de reisados, para as bandas cabaçais e para as lapinhas. A literatura de cordel e a xilografia também são bastante difundidas, muito em virtude da Academia de Cordelista de Juazeiro do Norte. Vale a visita ao centro cultural Mestre Noza. Contudo não podemos esquecer que ao longo do ano, Juazeiro do Norte atrai milhares de fiéis que veneram o Padre Cícero, imortalizado em uma estátua de 27 metros, localizada na Colina do Horto, vale a pena visitar o Memorial de Padre Cícero, a Igreja Matriz Nossa Senhora das Dores e a Capela do Perpétuo Socorro.
Juazeiro do Norte é cidade polo de uma das regiões mais importantes do Ceará e com influência sobre população estimada em três milhões de habitantes. Uma terra que se movimenta em torno do lema maior do Padre Cícero Romão Batista: Fé e Trabalho.

2.6.4.1- Memorial Padre Cícero
O Memorial Padre Cícero foi inaugurado no dia 22 de julho de 1988 com a presença do então Presidente da República, José Sarney, para ser um ambiente de estudos, pesquisas e palestras sobre o sacerdote. Existe um museu com vários objetos que foram do seu uso pessoal, como vestimentas e louças, além de fotografias e algumas obras de arte da época. Na biblioteca do mesmo, uma vasta bibliografia reunindo as muitas obras de quem escreveu a favor e as poucas dos que pensavam diferente sobre o padre. O auditório tem capacidade para 400 pessoas e o Memorial foi construído no largo da Capela do Socorro, onde o sacerdote foi sepultado.

2.6.4.2- Casarão do Horto e Museu Vivo de Padre Cícero
O velho Casarão do Horto era o local preferido do Padre Cícero Romão Batista para os seus retiros espirituais, no alto da Serra do Catolé, de onde é possível uma visão panorâmica de Juazeiro do Norte. Desde 1999 que o imóvel abriga os ambientes e as peças do Museu Vivo de Padre Cícero. Os romeiros percorrem o mesmo diante da sensação de estar palmilhando o chão sobre o qual o sacerdote um dia caminhou. Na sala das orações ainda se encontra afixado um enorme quadro do Sagrado Coração de Jesus adquirido por Padre Cícero em Roma, há mais de 100 anos. Provavelmente a opção do religioso pelo lugar foi motivada pela semelhança com o Monte das Oliveiras.
Inaugurado no dia 1º de novembro de 1999, no velho Casarão do Horto, o Museu Vivo de Padre Cícero possui cinco ambientações com personagens em tamanho real, a partir de resina de poliéster. Percorrendo os cômodos do imóvel, o visitante encontra o Padre Cícero em um café da manhã com amigos; em uma capela ao lado da beata Maria de Araújo – protagonista dos milagres; despachando com José Marrocos em seu gabinete; orando e descansando em uma rede. Na primeira sala do museu, fotos e dados sobre a vida do sacerdote, além de muitos ex-votos de fiéis ao longo do percurso na casa que serviu para retiros espirituais do Padre Cícero.

2.6.4.3- Basílica Menor de Senhora das Dores
Foi construída em 1875 pelo Padre Cícero Romão Batista e fica situada na Rua Padre Cícero, 147, sendo a paróquia da Padroeira de Juazeiro do Norte e conhecida pelos romeiros como a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores. Trata-se de um dos pontos de grande visitação no município em cujo altar-mor está uma imagem da Mãe de Deus esculpida em Paris e trazida por Padre Cícero na sua viagem a Europa. Foi nesse templo onde ocorreu o primeiro milagre da transformação da hóstia em sangue na boca da Beata Maria de Araújo, no dia 1º de março de 1889. No seu entorno está a Praça dos Romeiros, onde ocorrem grandes concentrações de fiéis.

2.6.4.4- Capela do Perpétuo Socorro
Foi construída entre os anos de 1908 e 1909 e fica situada no início da Rua Santa Luzia, no Centro de Juazeiro. Conhecida como Capela do Socorro, a mesma está à frente do principal cemitério do município, e, no seu altar-mor, foram sepultados os restos mortais do Padre Cícero no dia 21 de julho de 1934. Por isso, tornou-se um dos lugares considerados sagrados e de grande visitação em Juazeiro, principalmente durante a Romaria de Finados, de tal forma a ser apontado como um dos túmulos mais visitados do mundo. Trata-se do único templo da cidade a ostentar imagens em vitrais do Padre Cícero e da Beata Maria de Araújo.

2.6.4.5- Santuário do Sagrado Coração de Jesus
A Igreja dos Salesianos, como é mais conhecida pelos fiéis, foi construída em 1949 e tem a ver com um sonho e desejo do Padre Cícero apresentado aos religiosos daquela ordem. Ela fica situada na Rua Padre Cícero, 1440, e ganhou as características arquitetônicas a partir de uma maquete que o sacerdote trouxe de Roma. Para fazer valer sua vontade, Padre Cícero tornou como uma de suas herdeiras a ordem salesiana. A imagem do Coração de Jesus no altar-mor foi fabricada por alunos salesianos de Gênova, na Itália, e a arquitetura do templo é um dos cartões postais de Juazeiro. É também uma das igrejas bem frequentadas pelos romeiros.

2.6.4.6- Museu do Padre Cícero
O Museu de Padre Cícero funciona na Rua São José, 242, no centro de Juazeiro do Norte e foi instalado na residência onde o sacerdote morou nos últimos dias de sua vida. Em um dos quartos do antigo prédio está a cama na qual ele faleceu, no dia 20 de julho de 1934, e outros móveis. Na sala de estar, encontra-se sua biblioteca e, noutros cômodos, vários objetos que pertenceram ao religioso. Um deles é a maquete de uma Igreja que trouxe de Roma, a qual desejava ver construída na cidade. A casa serviu de velório e, em uma de suas janelas, a urna mortuária do Padre Cícero foi exposta para que todos pudessem prestar as últimas homenagens.

2.6.4.7- Estátua de Padre  Cícero
O monumento em homenagem ao Padre Cícero Romão Batista foi inaugurado no dia 1º de novembro de 1969, no alto da Serra do Catolé ou, como é mais conhecida, Colina do Horto, pelo então prefeito Mauro Sampaio. A estátua conta com 27 metros de altura, e se constitui na terceira maior do mundo em concreto, esculpida por Armando Lacerda em um local que era sempre escolhido pelo sacerdote para os seus retiros espirituais. Existe uma estimativa que aponta a visitação ao monumento na ordem de 2,5 milhões de pessoas por ano. De um lado fica o Museu Vivo e, do outro, enorme quadro da ceia larga com 17 x 4 m, enquanto há alguns metros está sendo construída a Igreja de Bom Jesus do Horto.

2.6.4.8- Luzeiro do Nordeste
Trata-se de uma torre de 113 metros de altura, distribuída em 256 toneladas de aço, inaugurada no dia 1º de novembro de 2005, em frente à Praça dos Romeiros, se constituindo na maior do Nordeste. Foram quase oito anos de montagem, com a perspectiva de marco pela passagem do milênio e dos 500 anos de descobrimento do Brasil, a partir da autorização dada pelo então Ministro do Esporte e Turismo, Rafael Greca. Ela foi concebida pelo arquiteto Luiz Deusdará e, inicialmente, terminou batizada de Luzeiro da Fé, como uma homenagem ao romeiro que visita Juazeiro do Norte. A torre está no caminho dos que seguem na direção da estátua de Padre Cícero na Colina do Horto.

2.6.4.9- Santo Sepulcro
Um lugar místico e apontado como a antiga morada dos beatos que ali se refugiavam para as penitências e autoflagelações, principalmente nas épocas da Semana Santa. São várias capelas entre enormes pedras de formação em granito, após um caminho de vereda bastante sinuoso e cheio de ladeiras e areia, mas muita vegetação. No imaginário popular, simboliza o local em que Jesus Cristo foi crucificado. Existem as pedras do pecado, da escada e da coluna, junto às quais os fiéis acreditam na remissão dos seus pecados caso consigam ultrapassá-las. Uma delas é a pedra do joelho, onde Maria teria se ajoelhado.

2.6.4.10- Chapada do Araripe
A chapada do Araripe, é uma vasta área de vegetação que abriga uma floresta nacional, uma área de proteção ambiental e um geoparque. A vegetação é bastante diversificada, apresentando domínios de cerradão, caatinga e cerrado. E sua fauna é rica em aves, mamíferos, répteis e insetos. É cada vez maior o número de pessoas a adentrarem na Floresta Nacional do Araripe, seja nas caminhadas de quilômetros, ou de bicicleta, com grupos que estão antenados com a natureza do Cariri. O turismo ecológico tem sido cada vez mais estimulado em nossa região.

2.6.4.11- Geopark Araripe
O Geopark Araripe estende-se por uma vasta área de seis municípios cearenses, sendo estes Barbalha, Juazeiro do Norte, Crato, Missão Velha, Santana do Cariri e Nova Olinda, apresentando um grande patrimônio geológico, biológico e paleontológico. Possuindo a principal jazida de fósseis cretáceos do Brasil e os maiores vestígios de Pterossauros do mundo. E vale ressaltar que esse é o único geoparque das Américas.
Essa região tem como destaque um verde exuberante em meio ao semiárido nordestino do Brasil. Possui um determinado número de sítios geológicos e paleontológicos. São denominados Geossítios conforme o perfil de suas características na história da terra e relevância científica. Essa múltiplas características do território possibilitam a visita do turismo científico aliado a uma estratégia de desenvolvimento regional sustentável.
Hoje, esse território abrange nove Geossítios que estão em processo de sinalização e melhoramento de sua estrutura receptiva. Tendo um papel ativo no desenvolvimento econômico de seu território, o Geopark Araripe passa a ser reconhecido em função das riquezas naturais, possibilitando o desenvolvimento socioambiental.
Com isso, a prática do ecoturismo está cada vez mais comum entre os aventureiros não só da região em si, mas de pessoas que gostam de curtir o prazer que a natureza pode lhe oferecer. Para entender melhor, essa prática é um segmento da atividade turística que utiliza-se da forma sustentável o patrimônio natural e cultural, mantendo a sua conservação e procurando a formação de uma consciência ambientalista através da conscientização do ambiente, promovendo o bem-estar das populações locais.
Esta atividade procura valorizar as regiões ambientais, sociais, culturais e econômicas e inclui ao conhecimento ambiental como um fator importante durante a experiência turística.
Além disso, o Ecoturismo é instrumento responsável por experiências enriquecedoras da condição humana. Por desenvolver-se em meio natural, o Ecoturismo é capaz de proporcionar ao seu praticante, oportunidades de resgatar seus vínculos ancestrais e envolve-lo ao meio ambiente de forma que demonstrará ao mesmo que ele também é natureza.

2.6.5- Barbalha
A 575 km de Fortaleza, localizada no Vale do Cariri, Barbalha é uma cidade de ‘pé de serra’ fundada no século 18 e é conhecida por sua arquitetura antiga, parques ecológicos, balneários, artesanato e festas populares. Situada entre um enorme canavial, seus limites se confundem com a linha do horizonte e a Floresta Nacional do Araripe. Ao longo do ano, a temperatura oscila entre 13ºC e 35ºC.
A maior atração turística de Barbalha é a Festa de Santo Antônio, também conhecida como Festa do Pau da Bandeira. O evento tem uma tradição de cerca de 200 anos, acontece em junho e reúne o que há de melhor do folclore da cidade – como os grupos de Reisado, Penitentes e Zabumbas – além de barracas com comidas típicas, bares, muita arte e shows que atraem cerca de 50 mil pessoas todas as noites (mais do que a população da cidade).


2.6.5.1- Balneário do Caldas
Uma das raras estâncias termo minerais do nordeste. O local tem cinco fontes naturais com águas de temperatura de 26ºC, além de bicas, piscinas e restaurantes.
Localizado a 10 Km do centro da cidade, o balneário fica no pedaço de Barbalha que sobe a Floresta Nacional do Araripe – uma área de proteção ambiental de 120 milhões de anos. A floresta tem, em média, 214 fontes de água e abriga animais em extinção como ema e onça pintada.

2.6.5.2- Arajara Park
Situado na encosta da Chapada do Araripe, o Arajara Park é uma das principais atrações da região. O mesmo conta com vários toboáguas, piscinas, uma caverna artificial, além de outras atrações.

2.6.5.3- Gruta de Arajara
Gruta de formação arenítica, navegável em pequenos e leves botes de borracha. Localizada no distrito de Arajara, antigamente a gruta era aberta ao público – e hoje é propriedade particular de um complexo turístico Arajara Park. O projeto inclui aquapark e hotéis dentro de um parque ecológico. Antes de se chamar Arajara, o distrito se chamava Ubajara. Foi lá que Luiz Gonzaga, quando menino, aprendeu a tocar sanfona.

2.6.5.4- Festa de Santo Antônio
Também conhecida como Festa do Pau da Bandeira, a manifestação popular é a maior atração turística da cidade. Começa no último domingo antes do dia 4 de junho e vai até o dia 13 de junho, dia do santo padroeiro da cidade.
A festa, que existe já a cerca de 200 anos, reúne o que há de melhor do folclore da cidade – como os grupos de Reisado, Penitentes e Zabumbas – e barracas com comidas típicas, bares, muita arte e shows que atraem cerca de 50 mil pessoas todas as noites (mais do que a população da cidade). Os Penitentes são um grupo de pessoas que praticam a tradição medieval de autoflagelamento. Eles fazem isso de verdade, em locais secretos. No desfile da festa, eles aparecem com suas vestimentas típicas: roupões pretos até os pés com enormes cruzes brancas pintadas e estão todos com capuzes pretos com cruzes brancas. Vestem ainda por cima crucifixos e levam cruzes grandes nas mãos. Não levam os chicotes com que se açoitam e entoam músicas tristes.
A maior atração da festa acontece no primeiro dia: o hasteamento do pau da bandeira. Trata-se de um enorme tronco, que pesa em torno de 3 toneladas, e que é retirado todos os anos de um sítio da região. O tronco é carregado no ombro dos homens da cidade por todo o percurso até a rua da Matriz, em frente a igreja, onde se coloca uma bandeira na ponta do tronco que, por sua vez, é erguido.
O único apoio para todo o percurso é uma carroça com a ‘Cachaça do Padre’, que vai na frente dos homens carregando o pau da bandeira. Na hora do hasteamento, o tronco fica preso a um cabo de aço. Reza a lenda que quem pegar no pau da bandeira ou tomar um chá feito da casca deste tronco arranja um casamento. Durante o trajeto, enquanto os homens carregam o pau, as mulheres tentam a todo custo tocar no tronco e arrancar lascas para fazer o famoso chá, fato que dá uma característica profana à festa religiosa.
Ainda no primeiro dia de festa, acontece um desfile com todos os grupos folclóricos. É no parque da festa, onde são montadas as barraquinhas com comidas e bebidas e onde são realizados os shows de grande porte, que acontece a maior concentração de gente.

2.6.5.5-  Geossítio Riacho do Meio
O Geossítios Riacho do Meio está situado no Parque Ecológico Riacho do Meio, no km 9 da rodovia estadual CE-60, em Barbalha. É uma área de vegetação densa, com interessantes trilhas que passam por duas fontes naturais de águas cristalinas e uma vista privilegiada para o vale do Cariri. Nele estão preservadas a fauna e flora nativas do Araripe, com raras espécies endêmicas, como o soldadinho-do-Araripe e a samambaia-açu. Várias árvores iniciam a primavera enchendo-se com flores roxas ou amarelas, que são o alimento predileto de animais que estão ameaçados de extinção. Lá também está localizada a "pedra do morcego", o lugar onde Lampião e seu bando de cangaceiros utilizava como acampamento ou esconderijo, quando estavam na região .A área do parque oferece um circuito de trilhas que dão acesso aos pontos mais expressivos do local, oferecendo a oportunidade de apreciação e observação, como também de estudo, das características da fauna, flora e recursos hídricos disponíveis, promovendo o incentivo aos diversos segmentos do turismo como: ecoturismo, turismo científico e etc.

2.6.6- Lavras da Mangabeira
A 434 km de Fortaleza, O turismo também movimenta a cidade devido as suas belezas naturais, com destaque especial ao Boqueirão e a sua gruta, que além de ser um local de imensa beleza, é um objeto de estudo que recebe estudiosos e diversas escolas do interior do estado, para conhecer sua impressionante formação geográfica e histórica, sendo um alvo de lendas que compõe a história da cidade. O município tem origem no século XVIII, quando formou-se o primeiro povoado em torno da exploração de minas de ouro no território. A cidade abriga no centro histórico um charmoso casario, no entorno da Praça Matriz. Na zona rural, estão os tradicionais engenhos de cana de açúcar. A vocação do município para o ecoturismo desponta na Serra e na Gruta do Boqueirão do Cesário, juntamente com um passeio ao Rio Salgado e o mergulho nos açudes da Extrema ou Três Irmãos.

2.6.6.1- Boqueirão de Lavras 
Boqueirão do Rio Salgado, também chamado Boqueirão de Lavras ou simplesmente Boqueirão é uma pequena chapada dividida por um boqueirão em meio à depressão sertaneja localizada no município de Lavras da Mangabeira, no estado do Ceará. Possui uma gruta homônima em sua parte alta, que é cercada de curiosas lendas.
  
2.6.6.2- Gruta do Boqueirão
A Gruta do Boqueirão ou a Caverna do Boqueirão, localiza-se no Município de Lavras da Mangabeira, estado do Ceará, a cinco quilômetros ao norte da sede do município.
A gruta do Boqueirão, como o próprio nome indica, é a garganta aberta, na serra homônima, pelo Jaguaribe-Mirim ou que, a cortou nos tempos das formações geográficas, com o volume das águas. Formada por duas partes descomunais, aberta, na própria rocha, a referida garganta, que dá vazão, através do rio Salgado, a todas as águas fluentes do sul do estado do Ceará, tem uma altura de noventa e três metros e uma largura de quarenta, com poço permanente à época da estação seca. Originária da desagregação da rocha, e com avultado comprimento, se bem que ignorado, demora essa gruta a cerca de cem palmos acima do nível do poço, apresentando a configuração de uma cúpula achatada e servindo de morada a morcegos.
No século XIX, como parte do projeto de combate a seca no Ceará, o Governo Imperial de D. Pedro II projetou a construção de um enorme reservatório no local. Os estudos foram confiados ao engenheiro inglês Jules Jean Revy, que chegou a conclusão da inviabilidade do empreendimento, devido a diversos fatores, constantes do seu relatório, inclusive a fragilidade do rochedo nos encontros do muro e a dificuldade de se fazer um escoamento sobre a rocha sólida.
A respeito do Boqueirão e suas lendas, é muito comum se ouvir estórias a respeito de fenômenos estranhos que ocorriam no local, tanto no fundo do poço, como no interior da gruta, as quais encontram guarida na crendice popular. Salas ricamente atapetadas, mesas e altares com lindíssimas toalhas, baixelas de metal precioso e um carneiro de ouro viam-se, ali, em determinadas circunstâncias, de envolta com os encantamentos próprios das fantasias. Dizia-se, por exemplo, que no fundo do poço, que é extenso e profundo, quando a água serenava, era visto um carneiro de ouro em pé sobre uma pedra, prenunciando ali haver um intenso cabedal subterrâneo. E nos escâncaros da gruta que só se pode chegar lá de balsas pelo poço e subir as escadas até lá, era vista uma mesa atoalhada, com baixelas de ouro e prata. E se alguém conseguisse de fora, alcançar com longas varas a tal mesa e derrubar toda aquela riqueza, atemorizava-se ao ver que em poucos minutos estava novamente composta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário