Geografia da Amizade

Geografia da Amizade

Amizade...Amor:
Uma gota suave que tomba
No cálice da vida
Para diminuir seu amargor...
Amizade é um rasto de Deus
Nas praias dos homens;
Um lampejo do eterno
Riscando as trevas do tempo.
Sem o calor humano do amigo
A vida seria um deserto.
Amigo é alguém sempre perto,
Alguém presente,
Mesmo, quando longe, geograficamente.
Amigo é uma Segunda eucaristia,
Um Deus-conosco, bem gente,
Não em fragmentos de pão,
Mas no mistério de dois corações
Permutando sintonia
Num dueto de gratidão.
Na geografia
da amizade,
Do amor,
Até hoje não descobri
Se o amigo é luz, estrela,
Ou perfume de flor.
Sei apenas, com precisão,
Que ele torna mais rica e mais bela
A vida se faz canção!

"Roque Schneider"


Quem sou eu

Salvador, Bahia, Brazil
Especialista em Turismo e Hospitalidade, Geógrafa, soteropolitana, professora.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

ESPAÇO AGRÁRIO NO MUNDO SUBDESENVOLVIDO E NO BRASIL VESTIBULAR 2011 e 2010


VESTIBULAR 2011

(UERJ) 

Com base na comparação dos mapas acima, indique a principal contradição verificada na maioria dos países africanos entre o tamanho da População Economicamente Ativa - PEA na agricultura e o percentual de população subnutrida.
Apresente também duas justificativas para a ocorrência dessa contradição.

Resposta:

Países com elevada parcela da População Economicamente Ativa dedicada à atividade agrícola possuem um elevado percentual de população subnutrida.

Duas das justificativas:
- concentração fundiária
- produção agrícola de caráter não alimentar
- agricultura tecnologicamente atrasada, com baixa produtividade
- produção agrícola voltada prioritariamente para a exportação de alimentos
- baixos salários pagos ao trabalhador rural, inviabilizando sua reprodução como força de trabalho

(UFF)

PRÁTICAS AGRÍCOLAS MODERNAS

 
THÉRY, H. e MELLO, N. Atlas do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2008, p. 112.

A economia rural brasileira avança gradativamente na direção de práticas agrícolas modernas, envolvendo a utilização de adubos, a conservação dos solos e a assistência técnica, o que implica uma certa renovação do campo, no qual persistem contradições inerentes à sociedade nacional.

A leitura comparada dos mapas acima permite concluir que essa renovação ainda é marcada por uma clara associação entre

a) amenização das tensões agrárias e redução do número de assentamentos rurais no país.
b) concentração de grandes propriedades e declínio de culturas agrícolas especializadas.
c) capitalização das empresas rurais e decréscimo de práticas agrícolas sustentáveis.
d) colonização oficial de áreas de fronteira e expansão de pequenos produtores exportadores.
e) apropriação monopolista da terra e difusão desigual da modernização agrícola.

(UFRJ)

A nova fronteira dos investimentos internacionais
Compra de terras agricultáveis no mundo (em milhões de hectares):


“Relatório recente do Banco Mundial calculou em 46,6 milhões de hectares as terras adquiridas por estrangeiros nos países em desenvolvimento entre outubro de 2008 e agosto de 2009 – área superior a toda a região agricultável do Reino Unido, França, Alemanha e Itália.”
(Folha de São Paulo - 13/09/2010)

Apresente dois motivos para o interesse de capitais chineses e árabes na compra de terras no Brasil e no mundo.

Resposta

Dentre os motivos para o interesse de capitais chineses e árabes na compra de terras no Brasil e no mundo estão: garantia de segurança alimentar para suas populações; pouca terra agriculturável nos países de origem; aumento da demanda por alimentos devido à elevação do poder aquisitivo; disponibilidade de capitais nestes países; interesses especulativos com bens imóveis; e aumento do preço dos alimentos no mercado internacional.

VESTIBULAR 2010

(UFPR) Os índices mínimos de uso da terra utilizados atualmente pelo INCRA para que ela cumpra sua função social foram elaborados em 1980, com base nos indicadores de produtividade das lavouras e dos rebanhos por hectare, levando-se em conta o nível técnico da agropecuária, segundo os dados do censo agropecuário de 1975 do IBGE. Hoje eles estão completamente defasados, pois, por exemplo, no estado de São Paulo, basta produzir 1.900 kg/hectare de milho para que a propriedade seja considerada produtiva. Entretanto, a produtividade média do milho nesse estado na safra de 2005/6 foi de 4.150 kg/ha. E por que até agora esses índices não foram atualizados? Porque assim imóveis com baixas produtividades escapam da desapropriação e da reforma agrária.

(Adaptado de: OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. "Me engana que eu gosto": A não atualização dos índices de produtividade da terra no governo Lula. Rádio Agência Notícias do Planalto, 26 mar. 2007.)

A respeito desse tema, considere as seguintes afirmativas:
1. A expansão das áreas para agropecuária, elevando os indicadores de produtividade, mostra que os índices de uso da terra não precisam ser atualizados, pois ainda estão de acordo com as necessidades do campo.
2. O debate sobre a atualização dos índices de produtividade mostra que, na dinâmica da reforma agrária, convergem aspectos legais, técnico-produtivos e sobretudo políticos.
3. A mudança dos indicadores da função social da terra ajuda a reforma agrária, pois mostra que esta deve ser implementada onde não foram alcançados altos índices de produtividade.
4. A resistência à atualização dos índices de produtividade revela a manutenção do latifúndio, que teve sua origem na forma de repartição da terra realizada pelos portugueses após a conquista e se prolonga até os nossos dias, como uma estrutura produtiva que condena o campo à subutilização.

Assinale a alternativa correta.
a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira. 
b) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. 
c) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras. 
d) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. 
e) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras. 

(UEMG) O interior nordestino é considerado como o lugar da seca, da terra inóspita e da miséria. Porém, surge, nesta sub-região, uma área que foi denominada pela população local de Mapitoba que, no cenário brasileiro atual, está sendo apresentada como uma das maiores potências do agronegócio. Observe as ilustrações e gráficos, a seguir:


AgrafNP, Conab, Ícone e Ministério da Agricultura. Adaptação - Revista Exame - 15/07/2009

A análise dos dados indicados no texto, nas ilustrações e gráficos, acima, sobre a região de Mapitoba, SÓ permite afirmar que

a) a área está geograficamente localizada em espaços de vegetação do cerrado das regiões centro-oeste e nordeste do Brasil.
b) em uma década, a soja teve uma expansão aproximada de 150% das terras produtivas e quase quadruplicou o seu volume de produção.
c) nos dois anos subsequentes ao ano de 2004, ocorreu uma estabilização do volume de produção e uma retração da ocupação das terras produtivas.
d) o oeste baiano é a área mais promissora para a cana-de-açúcar, cuja produção deverá crescer e atrair a implantação de usinas de etanol na região.

(UFPR) Nos últimos anos, no Brasil, tem chamado a atenção à expansão do plantio de cana-de-açúcar para produção do etanol, utilizado como combustível. No dia 17/09/2009, o governo lançou um programa denominado Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar, que visa ordenar o avanço dessa cultura sobre o território, proibindo sua expansão sobre alguns biomas, haja vista que isso poderá trazer impactos negativos no meio ambiente.

Sobre esse assunto, assinale a alternativa correta.
a) O bioma Amazônia, por sua grande extensão geográfica e vastas áreas ainda não usadas para agricultura, é considerado um espaço adequado para a expansão da cana-de-açúcar. 
b) O bioma Pantanal, devido à abundância de recursos hídricos necessários ao desenvolvimento da cana-de-açúcar, é tido como área ideal para seu plantio. 
c) Existem, em território brasileiro, milhões de hectares de terra subutilizados que podem ser revertidos ao plantio de cana-de-açúcar, sendo desnecessário o avanço sobre biomas ainda conservados. 
d) Remanescentes florestais não utilizados na região Sudeste podem ser incorporados como áreas de plantio, evitando assim sua expansão sobre biomas ambientalmente mais suscetíveis. 
e) No Centro-Sul brasileiro não haverá expansão da cana-de-açúcar, porque as áreas agrícolas já estão incorporadas à dinâmica produtiva. 

(CESGRANRIO)


UM DOMÍNIO DA AMAZÔNIA LEGAL

“É o domínio da lavoura tecnificada.Trata-se de uma porção onde predominam os cerrados, e não as florestas, e onde foi mais patente o progresso técnico na agricultura brasileira, tendo em vista a expansão do cultivo da soja com alta produtividade.”

BECKER, Bertha. Amazônia. Geopolítica na virada do III milênio.Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p. 82.

É possível associar o transporte de grãos de soja provenientes da porção amazônica, descrita acima, a uma das três estradas apresentadas no mapa.

O trecho de estrada que torna essa associação possível é

a) Mato Grosso – Pará, BR–163.
b) Maranhão – Pará, BR–230.
c) Tocantins – Pará, BR–230.
d) Pará – Amazonas, BR–230.
e) Rondônia – Amazonas, BR–319.

(UFPB) Considere, nos quadros a seguir, as informações sobre dois produtos agrícolas brasileiros.

Produto I

ALBUQUERQUE, Maira A. M. de; BIGOTTO, José F. e VITELLO, Márcio A. Geografia: Sociedade e Cotidiano. 6ª Série. São Paulo: Escala, 2006, p. 133.
Principal produto do agrone­gócio brasileiro.
O Brasil é o segundo maior produtor do mundo.
As maiores produções ocor­rem na região Centro-Sul.


Produto II

ALBUQUERQUE, Maira A. M. de; BIGOTTO, José F. e VITELLO, Márcio A. Geografia: Sociedade e Cotidiano. 6ª Série. São Paulo: Escala, 2006, p. 135.

Adapta-se facilmente às con­dições naturais.
É cultivado há muito tempo por povos nativos do conti­nente americano.
As maiores produções ocor­rem nos estados do Paraná, Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul.


Com base nas informações apresentadas, os produtos I e II são respectivamente:

aSoja e milho               
b) Café e trigo                
c) Soja e feijão
d) Arroz e milho
e) Algodão e trigo

(UFMS) A expansão da cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul é revestida de questões políticas, econômicas e ambientais controversas. Em relação a essa atividade agrícola, assinale a(s) proposição(ões) correta(s).

01) Os principais impactos ambientais atribuídos à lavoura de cana-de-açúcar são as queimadas para a realização do corte, enquanto que, nas usinas de açúcar e nas destilarias de álcool, a liberação de resíduos tóxicos é o que causa maior impacto, especialmente nas bacias hidrográficas. 
02) O álcool, como um produto da indústria sucroalcooleira, é um biocombustível, como o biodiesel, obtido de fontes renováveis; o consumo do álcool vem sendo estimulado tanto no país como no mercado internacional, exigindo ampliação da capacidade produtiva industrial e da oferta de matéria-prima. 
04) A cana-de-açúcar é muito exigente em nutrientes do solo, por isso é cultivada em solos férteis do tipo Massapê ou Terra-roxa nas regiões Nordeste e Sudeste do país. Devido à exaustão dos solos naquelas regiões, houve diminuição de sua plantação, motivando os usineiros a procurarem novas áreas para plantio, dirigindo-se para a região Centro-Oeste.  
08) Haverá êxodo rural nos municípios atingidos pela monocultura canavieira, visto que essa lavoura é altamente mecanizada e estimula a concentração de terras, exigindo pouco uso do trabalho humano, contribuindo pouco para a oferta de trabalho, como ocorre com a pecuária extensiva.  
16) Os usineiros sul-mato-grossenses querem ocupar as terras baixas do Pantanal por serem mais úmidas e de solos mais férteis, fazendo com que as lavouras de cana-de-açúcar obtenham alta produtividade, possibilitando concorrerem com o produto no mercado nacional e internacional. 

Resposta: 3 (01+02)

(FEI) No Brasil, os agro-negócios relacionados com o setor sucroalcooleiro (álcool e açúcar) têm apresentado grande crescimento nesta década. Segundo levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a área cultivada na safra 2008/09 cresceu quase 16% em comparação com a safra anterior. Sobre o setor sucroalcooleiro assinale a alternativa incorreta:

a) O aumento da produção está relacionado com o aumento da demanda interna de álcool combustível, principalmente após o desenvolvimento da tecnologia Flex-Fuel. Também há uma demanda crescente de álcool pelos países que querem reduzir a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera e diminuir a dependência de combustíveis fósseis.
b) Existem vários problemas sociais e ambientais associados à cultura da cana-de-açúcar, destacando-se as condições de trabalho dos cortadores de cana (boias-frias).
c) Um importante problema ambiental e de saúde pública associado à cultura da cana é a queima da palha após o período de safra. Além da emissão de gases de efeito estufa, esta prática causa graves problemas de saúde aos trabalhadores e às populações do entorno.
d) Uma alternativa à queima da palha nos canaviais após a safra é o uso da palha e do bagaço da cana para produzir a energia elétrica utilizada nas usinas, cujo o excedente pode ser vendido.
e) A monocultura tem sido apontada como uma saída inovadora que leva ao fortalecimento da diversidade econômica das cidades produtoras.

(UNICAMP)

“O campesinato neste continente [América Latina] sempre precisou se movimentar para procurar terras de trabalho. Locomove-se movido pelo interesse de trabalhar com terras e ao mesmo tempo à procura delas. Ora consegue-as por ocupações e as perde por despejo judicial ou por grilagem; ora perde-as economicamente em função da política de preços que leva à perda de prazos de vencimento da hipoteca consumada para obter crédito para a lavoura. Perde-as ainda em função de determinações mais estruturais do processo de acumulação capitalista no campo em cada conjuntura – proletarização, subordinação à agroindústria ou transformação do segmento de produtores familiares numa determinada área em bolsão de reserva para o capital enquanto mão-de-obra disponível para exploração eventual ou intermitente. Ou, como pequeno produtor, se proprietário permanentemente endividado, acaba amarrado a contratos draconianos de parceria com os ‘tubarões’ da agricultura de exportação.”

(Ana Maria Motta Ribeiro, Sociologia do narcotráfico na América Latina e a questão camponesa, em Ana Maria Motta Ribeiro; Jorge Atílio S. Iulianelli (Orgs.), Narcotráfico e violência no campo. Rio de Janeiro: DP&A, 2000, p.24.)

a) O que significa grilagem de terras? Como surge o termo “grilagem”?
b) Como a estrutura agrária contribui para o processo migratório de camponeses, em vários sentidos e direções, pelo interior do Brasil?


Resolução
a)A grilagem de terra é um ato ilegal, fundado na tentativa de apossamento de terras alheias ou públicas mediante falsas escrituras de propriedade. O termo se deve ao uso de grilos (insetos) para dar a aparência de envelhecimento ao papel dos documentos por conta dos dejetos dos insetos.
b)A estrutura fundiária não é homogênea no Brasil, sendo que, muitas vezes no local de origem dos camponeses há grande quantidade de pequenas propriedades, o que contribui para a impossibilidade de permanência dos novos membros das famílias decorrente da inviabilidade econômica. Além disso, a concentração de terras é comum nessas áreas, o que impõe a migração não só dos filhos, mas, também, dos pais. Assinalem-se também os poucos investimentos públicos para a produção agrícola camponesa que, sem financiamento, não tem condições de produzir de forma competitiva. Já em relação às áreas de destino, as terras mais baratas, geralmente em regiões de expansão da fronteira agrícola, permitem aquisições de extensões maiores de terras que as constituídas nas localidades de origem, o que dá novas possibilidades de reprodução econômica e social para as famílias migrantes. Há também as migrações sazonais dos camponeses para as áreas de demanda por trabalho temporário (bóias frias).
(UFG) A luta pela terra no Brasil reflete o processo histórico de sua apropriação, ocupação e uso, desde a colonização até os dias atuais. Ao longo do tempo, verificaram-se vários conflitos pela posse da terra. Na segunda metade da década de 1980, houve aumento da violência no campo nas regiões brasileiras, decorrente

a) da organização dos movimentos sociais em defesa da pequena propriedade e dos interesses dos migrantes.
b) da expansão dos latifúndios e do aumento da luta pela posse da terra por parte dos camponeses.
c) do apoio da Comissão Pastoral da Terra (CPT) aos movimentos sociais de luta pela posse da terra.
d) da modernização da agricultura nas regiões Norte e Nordeste, o que provocou o aumento da luta pela posse da terra.
e) da elaboração de legislações federais contrárias às ocupações de terras pelos movimentos sociais.

(UEG)

Eu sou roceiro
Eu sou roceiro, vivo de cavar o chão.
Tenho as mãos calejadas, meu senhor.
Me falta terra, falta casa e falta pão.
Não sei onde é o Brasil do lavrador.
Só tenho a enxada e o título de eleitor
Para votar em seus fulanos educados
Que não fazem nada pelo pobre agricultor,
Que não tem terra para fazer o seu roçado
[...]
Sou um soldado retirante sem medalha,
Sou estrangeiro quando pego a reclamar.
Sou camponês que usa tanga e sandália,
Sou brasileiro só na hora de votar.

LIMA, Jorge Pereira. Cultura insubmissa. Fortaleza: Nação Cariri Editora, 1982. p. 110-111.

Com relação ao texto acima, é CORRETO afirmar:
a) as Ligas Camponesas e o MST transformaram as relações de trabalho e garantiram ao homem do campo o direito à terra.
b) atualmente, a política agrária do Brasil visa assegurar a produção de gêneros alimentícios e terras destinadas à agricultura familiar.
c) a modernização da agricultura gerou a concentração fundiária e, por consequência, o desemprego no campo, caracterizado pelo crescimento dos bóias-frias e/ou peões.
d) a melhoria dos indicadores socioeconômicos dos trabalhadores rurais brasileiros, bem como sua qualificação profissional, vem sendo asseguradas através da sua participação nas últimas eleições.

(FUVEST) Considere os mapas do Estado de São Paulo, seus conhecimentos e as afirmativas abaixo.


I. A expansão desse cultivo tem ocorrido, principalmente, com vistas ao aumento da produção de etanol para o abastecimento dos mercados interno e externo.
II. O cultivo desse produto agrícola tem ocupado porções do Oeste Paulista que, tradicionalmente, eram ocupadas com pasto.
III. A expansão desse cultivo tem acarretado a diminuição da produção de gêneros alimentícios em algumas regiões do estado.

Está correto o que se afirma em:

a) I e II, apenas.
b) II, apenas.
c) II e III, apenas.
d) III, apenas.
e) I, II e III.

(FUVEST)

Os gráficos revelam

a) pequena quantidade de propriedades, com até 100 ha, ocupando a maior parcela da área, o que significa uma  distribuição desigual da terra.
b) grande quantidade de propriedades, com mais de 1000 ha, correspondendo à maior parcela da área ocupada, o que significa uma distribuição equitativa da terra.
c) grande quantidade de propriedades, com até 100 ha, correspondendo às menores parcelas da área ocupada, o que significa uma distribuição desigual da terra.
d) pequena quantidade de propriedades, de 100 a 1000 ha, ocupando a maior parcela da área, o que significa uma distribuição equitativa da terra.
e) pequena quantidade de propriedades, com mais de 1000 ha, correspondendo à menor parcela da área ocupada, o que significa uma distribuição desigual da terra.

(UEM) Sobre agricultura, seu papel histórico e sua importância econômica no mundo, assinale a(s) alternativa(s) correta(s).

01) Nas terras ocupadas na América desde o século XVI, os colonizadores implantaram sistemas agrícolas para a produção de gêneros alimentícios e de matérias primas voltadas ao abastecimento do mercado europeu.
02) Após a Segunda Guerra Mundial e com o processo de desenvolvimento da biotecnologia em marcha, os países desenvolvidos criaram espécies vegetais a partir do pacote tecnológico denominado Revolução Verde, fundamentado na difusão do consumo de produtos orgânicos e hidropônicos.
04) No século XIX, as lavouras de café no Brasil foram desenvolvidas com base na grande propriedade
escravista e monocultora, voltada à exportação.
08) A partir da Revolução Industrial, a agricultura alcançou um estágio técnico e científico que possibilitou o aumento da produção sem a necessidade de ampliação da área de cultivo. Foi a fase da chamada Revolução Agrícola.
16) Na atualidade, por conta da redução de seu espaço agrícola, os países europeus não cultivam gêneros alimentícios, caracterizando-se como grandes importadores desses produtos dos países em desenvolvimento.

Resposta: 13 (01+04+08)

(UFBA)


Os problemas referentes à questão agrária estão relacionados, essencialmente, à propriedade da terra, consequentemente à concentração da estrutura fundiária, aos processos de expropriação, expulsão e exclusão dos trabalhadores rurais: camponeses e assalariados; à luta pela terra, pela reforma agrária e pela resistência na terra; à violência extrema contra os trabalhadores, à produção, abastecimento e
segurança alimentar; aos modelos de desenvolvimento da agropecuária e seus padrões tecnológicos, às políticas agrícolas e ao mercado, ao campo e à cidade, à qualidade de vida e dignidade humana. Por tudo isso, a questão agrária compreende as dimensões econômica, social e política.

(FERNANDES, 2001, p. 23-24).

Com base na ilustração, no texto e nos conhecimentos sobre o espaço agrário, pode-se afirmar:

(01) A desigual distribuição das terras, herança do modelo econômico que se implantou recentemente no país, trouxe como consequência os atuais conflitos sociais no campo e a fixação, cada vez maior, do homem nas áreas rurais em função da chegada da modernização agrícola.
(02) O movimento das “Ligas Camponesas”, originado no início do século passado, deve ser entendido como uma manifestação local dos produtores rurais do agreste pernambucano contra a alta dos impostos.
(04) A luta por terra é uma importante dimensão da questão agrária e os movimentos sociais dela resultantes se configuram em ações dos trabalhadores, que envolvem processos de expropriação, expulsão e exclusão social.
(08) A modernização da agricultura e da pecuária é bastante equilibrada nas diversas regiões do país, originando grande produtividade de alimentos com farta dieta alimentar da população.
(16) O modelo de reforma agrária vigente no país vem assegurando o acesso à terra, proporcionando recursos necessários para ela produzir e atingindo grande número de trabalhadores rurais.
(32) O MST representa diferentes expressões de contestação, seja contra a desapropriação de terras pelo Estado, a exemplo da região de Itaipu, seja contra a permanência de latifúndios improdutivos, como áreas no interior do Norte e do Nordeste.

Resposta: 36 (04+32)

Nenhum comentário:

Postar um comentário